Crítica: A Metade de Nós

 
O drama A Metade de Nós é árido e não tinha como ser diferente. O filme de Flávio Botelho é marcado pela coragem ao encarar de frente temas considerados tabus, como a depressão e o suicídio, situações potencializadas pelo histórico das famílias que silenciam a franca manifestação dos sentimentos como forma de resolver a maioria dos conflitos individuais. O perigo daquilo que não é dito, das conversas que são adiadas, da percepção de que algo está fora do lugar e o adiamento da ação em prol da prevenção de algo mais grave acaba sendo uma denúncia que A Metade de Nós faz ao construir cuidadosamente a jornada de dois personagens lidando com a violenta perda de um filho, uma dor irreparável, possivelmente, a maior de todas elas ao contrariar a lógica do percurso natural da vida: os mais velhos morrerem antes dos mais novos. 


A Metade de Nós começa com Fran e Carlos abordando o psiquiatra do filho Felipe. Eles estão em busca de alguma explicação para Felipe ter atentado contra a própria vida e o fato de Fran ter encontrado medicamentos controlados no apartamento do filho apontam para uma suposta responsabilidade do médico no ocorrido. O que a personagem não se dá conta é que as explicações para o ocorrido com Felipe não estão no tratamento médico em si, mas talvez nas questões que levaram o rapaz ao consultório. 

Flávio Botelho constrói a jornada do luto de Fran e Carlos de forma apartada. Cada um encontra uma forma de se resolver com a dor pela morte de alguém muito amado. Enquanto Carlos procura manter viva a memória do filho emulando a vida de Felipe, sendo esta uma forma dele realizar alguns desejos reprimidos também, Fran preserva a inconformidade e a fúria pelo acontecido, procurando formas de esquecer a tragédia pessoal e de seguir em frente com a sua vida passando como um rolo compressor por cima dos seus próprios sentimentos. De certa forma, o comportamento dos pais de Felipe nos leva a algumas "sementes" do estado de saúde mental do rapaz, que parecia viver em um lar amoroso, mas marcado por pais que não davam brecha para a vazão de sentimentos e que não se realizaram em algumas searas das suas próprias vidas. 

O filme de Botelho prima pelo estudo meticuloso da psicologia dessas personagens e do estado do luto pelo qual ambos estão passando. Nesse sentido, o propósito de A Metade de Nós não seria alcançado com tanto acerto não fosse os desempenhos aplicados de Denise Weinberg e Cacá Amaral, intérpretes de Fran e Carlos, respectivamente. Como Fran, Weinberg representa com muita força a tempestuosidade, a inquietação e o estado de inconformidade pelo ocorrido em sua família. Já Cacá Amaral faz de Carlos um sujeito tentando se recompor e procurando na lembrança constante da ausência uma forma de aplacar a dor causada pela mesma, vivendo ainda um processo de redescoberta de si na maturidade, o que acaba sendo a grande salvação desse personagem no final das contas.  



Com atuações bem calibradas dos seus protagonistas e um cuidado, mas também a coragem de encarar temas tabus pelo que eles são, Flávio Botelho faz de A Metade de Nós um drama profundo que mergulha sem receios na jornada do luto. Não há respiros, o filme é uma obra que não proporciona conforto para o espectador, mas o intuito é esse e o diretor não poderia realizá-lo de outra forma. No final das contas a própria urgência, franqueza e realismo a partir dos quais a obra confronta o luto acaba fazendo com que o filme seja libertador e reconfortante tanto para os seus dois protagonistas quanto para o público. Afinal, situações como a que vemos ser retratada na obra só são de fato superadas quando vivenciadas na plenitude de tudo aquilo de doloroso que elas são capazes de proporcionar.  


Avaliação


Título original: A Metade de Nós
Ano: 2023
Duração: 89 minutos
Nos cinemas
Direção: Flávio Botelho 
Roteiro: Flávio Botelho, Daniela Capelato e Bruno H. Castro
Elenco: Denise Weinberg, Cacá Amaral, Kelner Macêdo, Clarice Niskier, Henrique Schafer, Justine Otondo.

Assista ao trailer:



COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,1,Crítica,315,DVD & Blu-Ray,6,É Tudo Verdade,3,Editorial,2,Ensaios e Artigos,19,Entrevista,2,Extras,9,Listão,34,Matéria Especial,28,Mostra SP,6,Notícias,39,Podcast,3,Prévia,77,Radar Crítico,20,Recomendações,110,Resenhas,286,Rewind,15,TV & Streaming,80,Vídeo,10,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Crítica: A Metade de Nós
Crítica: A Metade de Nós
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEjCHiDVtWTovB9kUCo6bGOnZTW3FfYBEo3BuXbmpB5vtUOLjqM95lQBXs45UornA3mPhHVcD5LGoT8vi4bdUix5FRigtomS3YcVqNCJ-O9jXPmfa1Dnf5qhvpst0IfHd2vlNjcoJ4SLKgn5EQ7ugmvmligk-HswB6lK9lorahUkb9ZaxWi3XtRqzJqtFddf/s16000/A%20METADE%20DE%20N%C3%93S_16.JPG
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEjCHiDVtWTovB9kUCo6bGOnZTW3FfYBEo3BuXbmpB5vtUOLjqM95lQBXs45UornA3mPhHVcD5LGoT8vi4bdUix5FRigtomS3YcVqNCJ-O9jXPmfa1Dnf5qhvpst0IfHd2vlNjcoJ4SLKgn5EQ7ugmvmligk-HswB6lK9lorahUkb9ZaxWi3XtRqzJqtFddf/s72-c/A%20METADE%20DE%20N%C3%93S_16.JPG
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2024/05/critica-metade-de-nos.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2024/05/critica-metade-de-nos.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código