Crítica: Shirley para Presidente

 


Previsto para ser lançado no segundo semestre de 2023, a tempo da última temporada de premiações, o drama biográfico Shirley para Presidente finalmente chega ao catálogo da Netflix. O longa narra parte da trajetória de Shirley Chisholm, pioneira na política estadunidense ao ter sido a primeira mulher negra eleita para o Congresso dos EUA no final da década de 1960. Shirley também foi a primeira mulher negra a disputar uma prévia do partido democrata para a presidência dos EUA. O longa de John Ridley (de Jimi: Tudo a meu Favor) cobre especificamente o ano de 1972, quando Shirley disputou a vaga nas eleições presidenciais. 

Ridley tem uma importante aliada para contar a história de Chisholm nas telas, a atriz e produtora do filme Regina King, vencedora do Oscar de melhor atriz coadjuvante em 2019 por Se a Rua Beale falasse. No centro dessa cinebiografia, Regina King é o motor dessa história, preservando a fidelidade do espectador na narrativa mesmo em momentos nos quais o projeto perde o fôlego por conta da sua estrutura burocrática. Em Shirley para Presidente, Regina King tem uma daquelas performances nas quais a atriz praticamente desaparece na pele da sua própria personagem.  

TELEFILME

Olhando de fora, Shirley para Presidente soa como um daqueles projetos dos anos 2000 que preenchiam as grades da HBO. A produção original da Netflix parece uma daquelas cinebiografias de figuras da política estadunidense produzidas pelo canal que contextualizavam momentos históricos importantes para a democracia do país. Como narrativa fílmica, o longa de Ridley não alça voos mais ambiciosos, privilegiando planos fechados e grandes disputas de diálogos entre os seus personagens, preferencialmente, em cenários fechados, como escritórios e uma sala de estar, soando como um projeto que obedece a marcações de antigas produções televisivas. 

RECORTES

A narrativa de Shirley para Presidente também segue uma estrutura burocrática, obedecendo a uma cronologia de eventos na vida da biografada. É certo que eventualmente a história foge de obviedades e tem consciência da necessidade de estabelecer recortes nesse relato. É bem interessante como a partir do caso de Chisholm o filme consegue dimensionar o racismo e o machismo da política dos EUA, trazendo discussões como a dificuldade que Shirley passava para ser aceita entre mulheres e a comunidade negra do país, quando era evidente que a deputada era a única porta-voz desses grupos em Washington. Além disso, também é pertinente como o filme compreende a trajetória da personagem e destaca como a mesma foi sabotada pelo discurso derrotista de que não valia a pena investir esforços em sua campanha pois era uma batalha vencida desde o primeiro instante.

REGINA KING

O triunfo de Shirley para Presidente é mesmo a atuação de Regina King. Entregando mais uma interpretação poderosa, a atriz consegue sublinhar a força de Shirley em sua fala mansa e seus gestos afetuosos, da mesma forma como, em razão de segundos, encontra a eloquência e a firmeza das suas impressionantes performances no palanque, sempre exibindo uma retórica invejável repleta de honestidade.  Assim, o filme acaba sendo mais um daqueles casos que se sustenta pela interpretação tour de force da sua protagonista, com alguns pontuais acertos de escolha do roteiro na abordagem da história da personagem biografada. 


Avaliação


Título original: Shirley
Ano: 2024
Duração: 117 minutos
No catálogo da Netflix
Direção: John Ridley
Roteiro: John Ridley
Elenco: Regina King, Lance Reddick, Terrence Howard, Lucas Hedges, André Holland, Michael Cherrie, Brian Stokes Mitchell, Christina Jackson, Reina King. 

Assista ao trailer:





COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,1,Crítica,315,DVD & Blu-Ray,6,É Tudo Verdade,3,Editorial,2,Ensaios e Artigos,19,Entrevista,2,Extras,9,Listão,34,Matéria Especial,28,Mostra SP,6,Notícias,39,Podcast,3,Prévia,77,Radar Crítico,20,Recomendações,105,Resenhas,268,Rewind,15,TV & Streaming,80,Vídeo,10,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Crítica: Shirley para Presidente
Crítica: Shirley para Presidente
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEifUZIPfiONqq7SojLfU2uwog4CCNf2XyhXt44Cm5uxSUad0OficMg1dlirifSiHy-gTwFOgteSun7LAXeB3NZQr5W8cJ40oDLapQlWHwfUfYNsJPfy6z9jxvt1m1G4W976safHpwRJcCkasP5AkjzuRylUwbv4Yko3wlcGj_CCvKcRlLlKHduYy-H4eWx2/s16000/shirley%20para%20presidente%20critica%20regina%20king.jpg
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEifUZIPfiONqq7SojLfU2uwog4CCNf2XyhXt44Cm5uxSUad0OficMg1dlirifSiHy-gTwFOgteSun7LAXeB3NZQr5W8cJ40oDLapQlWHwfUfYNsJPfy6z9jxvt1m1G4W976safHpwRJcCkasP5AkjzuRylUwbv4Yko3wlcGj_CCvKcRlLlKHduYy-H4eWx2/s72-c/shirley%20para%20presidente%20critica%20regina%20king.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2024/03/critica-shirley-para-presidente.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2024/03/critica-shirley-para-presidente.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código