Crítica: Eu, Capitão


Atuante desde meados da década de 1990, o cineasta italiano Matteo Garrone ganhou grande projeção em 2008 com o drama Gomorra, adaptação da obra de Roberto Saviano sobre a máfia em Nápoles. Eu, Capitão é o mais recente trabalho do diretor e aborda um aspecto espinhoso da geopolítica contemporânea a partir da história de dois adolescentes senegaleses que empreendem uma viagem pelo deserto e pelo oceano para chegar à Itália, aspirando uma grande mudança de vida. 

No caminho, os primos Seydou e Moussa encontram perigos que escancaram uma realidade bem diferente daquela que ambos imaginavam. Os garotos são explorados por toda sorte de atravessadores, caem nas mãos da máfia libanesa em pleno deserto, são submetidos a condições sub-humanas e a trabalhos que beiram a escravidão. Tudo isso para chegar à costa siciliana.  


A DIREÇÃO

Eu, Capitão é marcado por uma condução certeira de Matteo Garrone para o assunto. Ao mesmo tempo que o diretor não poupa o espectador de uma abordagem crua da violência sofrida pelos protagonistas em sua jornada, não faz da sua narrativa um relato sensacionalista. Nesse sentido, o diretor opta, por exemplo, por mostrar o rosto do jovem Seydou desfigurado e em carne viva ao invés de exibir cenas nas quais o personagem é violentado pelos seus sequestradores no deserto. Esse tipo de abordagem do diretor é muito mais eficiente para dimensionar o horror vivido pelos garotos em sua viagem rumo ao sonho europeu do que a exibição de longas cenas de tortura física e psicológica, um caminho óbvio a qualquer diretor que abordasse esse assunto.

REALISMO FANTÁSTICO E POESIA

Outras decisões certeiras da direção de Garrone são sentidas ao longo do filme. É interessante, por exemplo, como o diretor contrasta a realidade dos meninos em Dacar no Senegal, sempre cheia de música e alegria, ainda que em meio a uma realidade pouco animadora, com a aspereza e a literal secura de sentimentos (no deserto) ao longo da jornada deles rumo à Itália, uma viagem que gradualmente dissolve a ingenuidade de ambos. O diretor também sabe fazer uso pontual do realismo fantástico, um recurso que injeta um pouco de poesia àquele contexto tão revoltante. O realismo fantástico é um respiro a seus protagonistas e ao público em momentos providenciais, como o desejo de Seydou de dar notícias a sua mãe ou o desespero do garoto ao ver uma senhora passar mal durante a travessia do Saara.



A FORÇA DO PROTAGONISTA

Eu, Capitão não é marcado apenas pela realidade crua vivida por muitos imigrantes africanos que ainda sonham com as promessas de uma vida melhor na Europa, Garrone transforma sua narrativa em uma jornada de amadurecimento de Seydou, um dos seus protagonistas. 

Diante de tudo o que o garoto enfrenta ao longo da sua jornada, no terceiro ato o personagem ainda fica com um desafio final de pilotar o barco que o levará junto com Moussa para a Itália. Ao cumprir seu trajeto, marcado, claro, por muitos percalços, o menino celebra com o brado "Eu, capitão!" que dá título ao filme, marcando a celebração da sua sobrevivência em meio a adversidades que colocaram sua vida por um fio ao longo da história. Desse jeito, Matteo Garrone transforma Eu, Capitão em um filme que obviamente denuncia o cenário geopolítico que constrói, mas que também reconhece a força das pessoas que protagonizam histórias como as de Seydou e Moussa, sendo um relato extremamente humano dessa realidade.


Avaliação




Título original: Io Capitano
Ano: 2023
Duração: 121 minutos
Nos cinemas
Direção: Matteo Garrone
Roteiro: Matteo Garrone, Massimo Ceccherine e Massimo Gaudioso
Elenco: Seydou Sarr, Moustapha Fall, Issaka Sawadogo, Hichem Yacoubi, Dooudou Sagna, Ndeye Khady Sy, Venus Gueye, Oumar Diaw, Joe Lassana. 

Assista ao trailer:





 

COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,1,Crítica,315,DVD & Blu-Ray,6,É Tudo Verdade,3,Editorial,2,Ensaios e Artigos,19,Entrevista,2,Extras,9,Listão,34,Matéria Especial,28,Mostra SP,6,Notícias,39,Podcast,3,Prévia,77,Radar Crítico,20,Recomendações,105,Resenhas,268,Rewind,15,TV & Streaming,80,Vídeo,10,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Crítica: Eu, Capitão
Crítica: Eu, Capitão
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEj-O9fwlm1GcYRWypkzQbXvTWFW5WGe9Z7779XzWeSn5qYLqzOj5TE_K5KLDHUTWAxfqSgO2oIsMBkJ6M5YBKj-fDddN0moZ-xzQO7jaVAc8_qRBBPQZE0WUSpwqD2ALo6Y4_cgyja3IokCrVOScP8nAkjYXf7Lz1o0aoeKjwnBPmrC6-LWVaCErugjTKx4/s16000/Eu%20Capit%C3%A3o.jpg
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEj-O9fwlm1GcYRWypkzQbXvTWFW5WGe9Z7779XzWeSn5qYLqzOj5TE_K5KLDHUTWAxfqSgO2oIsMBkJ6M5YBKj-fDddN0moZ-xzQO7jaVAc8_qRBBPQZE0WUSpwqD2ALo6Y4_cgyja3IokCrVOScP8nAkjYXf7Lz1o0aoeKjwnBPmrC6-LWVaCErugjTKx4/s72-c/Eu%20Capit%C3%A3o.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2024/02/critica-eu-capitao.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2024/02/critica-eu-capitao.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código