Crítica: Spree


O mundo hiperconectado da multiplicidade de telas e as consequências psicológicas da lógica da acumulação de fortunas pelos influenciadores digitais têm sido explorados com uma certa frequência por séries e filmes em tramas que oscilam entre a fantasia e uma incomoda verossimilhança. Spree é parte natural desse processo de assimilação da realidade da comunicação digital no nosso cotidiano pela ficção. O longa conta sua história de maneira engenhosa por intermédio do artifício que impulsiona sua temática, integrando nossos mecanismos de audiovisualizar o cotidiano (celulares, câmeras de segurança, players de YouTubepara contar a história de um influenciador digital frustrado que usa seu atual emprego de motorista de aplicativo para dar o seu "tiro de misericórdia" em busca de seguidores, likes e views: ele transmitirá em tempo real o assassinato de alguns dos seus passageiros.  

Através de um protagonista que gradualmente se revela como um perigo para a sociedade, o longa escrito e dirigido por Eugene Kotlyarenko critica o vazio existencial e os efeitos psicológicos da perseguição por métricas na web. No entanto, o mais instigante desse longa, apontado por alguns como uma espécie de Psicopata Americano dos nossos tempos - e as comparações são bastante pertinentes já que, tal qual o personagem de Christian Bale no filme de 2000, temos contato com um protagonista de natureza doentia e que representa um perigo para a sociedade - é a maneira interessante como filme incorpora a lógica das múltiplas telas na construção da sua narrativa.  


Imagens horizontais e verticais, multiplas perspectivas que dividem uma mesma tela representada por stories ou lives de Instagram, câmeras de segurança e perfis no Twitter ou rotas do aplicativo Spree que dá título ao filme, um similar do Uber, dá a Spree uma verve contemporânea de narrativa audiovisual, mas nenhum desses recursos soa como supérfluo. O longa de Eugene Kotlyarenko sabe, como poucos títulos que utilizaram esse recurso, se apropriar da gramática da realização e consumo de audiovisual na web para contar sua história de horror contemporâneo. Spree tem uma lógica engenhosa de montagem que sabe aproveitar cada uma dessas possibilidades de registro audiovisuais, tornando o aparato evidente e determinante para o comportamento dos seus personagens, que, claramente se transformam quando percebem a sua presença e que existe público para seus atos. 

Conforme o protagonista Kurt Kunkle vai colocando em prática seu experimento online (e aquele apresentado em Nerve vai soando "fichinha" perto desse aqui), o ator Joe Keery conduz esse sujeito a um estágio incontrolável de loucura. O intérprete do Steve Harrington de Stranger Things tem um desempenho impressionante nesse filme lidando muito bem com a instabilidade emocional do protagonista, um sujeito despreparado para as negativas da vida, criado em um lar completamente disfuncional, e que, gradualmente, vai perdendo a sua humanidade e se tornando uma ameaça assustadora para as figuras que encontra pelo caminho. Nem mesmo o pai do protagonista interpretado por David Arquette escapa da loucura do digital influencer


O tom de Spree é exageradamente elevado. Os passageiros de Kurt são figuras ausentes de qualquer simpatia, a maioria representa o que existe de pior na nossa sociedade (e na internet, claro). Assim como Kurt, todos agem como se estivessem entorpecidos pela fama online. O tom elevado é típico da sátira que Spree propõe. No entanto, vivemos em uma realidade no qual sátiras como esta e a tão afamada Black Mirror se aproximaram tanto da nossa sociedade que o que vemos é uma imagem espelhada e ela assusta. Spree sabe narrar muito bem esse conto de horror contemporâneo no limite entre a ironia, a crítica e o pavor que toda essa lógica de sociabilidade digital tem legado para nossa realidade. 


Avaliação: 


Título original: Spree
Ano: 2020
Duração: 93 minutos
Disponível na HBO Max
Direção: Eugene Kotlyarenko
Roteiro: Eugene Kotlyarenko
Elenco: Joe Keery, Sasheer Zamata, David Arquette, Mischa Barton, Kyle Mooney, Frankie Grande, Sunny Kim, Lala Kent, John DeLuca, Linas Phillips.   

Assista ao trailer:

COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,2,Crítica,315,DVD & Blu-Ray,6,É Tudo Verdade,3,Editorial,2,Ensaios e Artigos,20,Entrevista,2,Extras,9,Listão,32,Matéria Especial,26,Mostra SP,6,Notícias,39,Podcast,3,Prévia,77,Radar Crítico,20,Recomendações,44,Resenhas,132,Rewind,15,TV & Streaming,80,Vídeo,10,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Crítica: Spree
Crítica: Spree
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEiKNWESeG3xdC3mH_jEdo_Oy4Hg5RvuN1nyWUVzQyIgKyABG8hub1jyQKTJEZTU4V89VpUs5i2DJldSy6zF9_El1Y8s2Sgu7qU3DDfs0jR1COYL_PAohSzafXp-fxisDODnkm4liIcJnyd2wv3kbS00dn6FixMo6kGADwEEtZfjhTVvP44Ag6g-jZvxYg/w400-h225/Spree.jpg
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEiKNWESeG3xdC3mH_jEdo_Oy4Hg5RvuN1nyWUVzQyIgKyABG8hub1jyQKTJEZTU4V89VpUs5i2DJldSy6zF9_El1Y8s2Sgu7qU3DDfs0jR1COYL_PAohSzafXp-fxisDODnkm4liIcJnyd2wv3kbS00dn6FixMo6kGADwEEtZfjhTVvP44Ag6g-jZvxYg/s72-w400-c-h225/Spree.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2022/05/critica-spree.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2022/05/critica-spree.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código