Crítica: Titane

 
Quando criança, Alexia sofre um acidente de carro que faz os médicos colocarem próteses de titânio no seu corpo a fim de reverter os danos graves causados pelo ocorrido. Anos depois, acompanhamos a vida da personagem já adulta fazendo algumas apresentações sensuais ao ar livre junto a um automóvel estilizado. A jornada dessa protagonista será marcada por uma série de episódios de violência e pelo seu encontro com um homem em busca do seu filho desaparecido há dez anos. 

Por Titane, a cineasta Julia Ducournau venceu a Palma de Ouro na edição do ano passado do Festival de Cannes. O mais recente filme da realizadora da Raw, outro longa "estranhíssimo" por inúmeras bizarrices e pelo teor violento da sua narrativa (ele é protagonizado por um grupo de universitários canibais), não é das obras mais agradáveis de se assistir. Em Titane, Ducournau faz questão de preencher a sua história com personagens que se caracterizam pela ausência de traços de humanidade, Na maioria das vezes, eles não fazem questão de ser agradáveis uns com os outros ou conquistar a simpatia do espectador. 

A protagonista interpretada com fúria  pela novata Agathe Rousselle não tem afeto por ninguém ou por nada, nem mesmo pelo automóvel com o qual mantém uma relação sexual (!!!!). Tudo na personagem é puro instinto. Alexia age conforme a convocação dos seus desejos. A violência, inclusive, é expressão habitual da personagem, que acaba se transformando em uma notória serial killer. Rousselle transforma a personagem literalmente em uma máquina, com gestos precisos e automáticos, apresentando para o espectador um trabalho de uma fisicalidade que impressiona, mas logo descobrimos outra faceta dessa protagonista. 

É no instante que Alexia passa a ser procurada pela polícia que Titane aciona uma mudança de chave na sua própria história. O objetivo de Ducournau com uma protagonista tão instintiva e ausente de qualquer traço de afeto é re-humanizá-la na medida em que ela cria intimidade com o solitário bombeiro interpretado por Vincent Lindon, uma figura que surge na história para dar abrigo a Alexia. Lindon vive um homem que se vicia em drogas para amortecer a dor de não saber o paradeiro do próprio filho e que, desesperadamente, se apega a qualquer ilusão de reencontrá-lo. É através do laço que Alexia estabelece com esse personagem em um momento de extrema vulnerabilidade que vemos uma outra faceta da protagonista, outrora tão implacável, imbatível e feroz. 

Titane não é das experiências mais fáceis para o espectador. Ducornau faz questão que toda a narrativa seja uma experiência fisicamente angustiante não só para os personagens como para o público. Alexia comete agressões contra si e contra os outros personagens e em cada um desses atos a protagonista se transmuta fisicamente. Além disso, a cineasta torna o público parte desse processo ao afetar os nossos próprios sentidos através dos recursos que o audiovisual coloca a sua disposição. O público se contorce a cada pele rasgada ou golpe desferido pelo prendedor de cabelo da protagonista. Titane é quase uma experiência em 4D. 

É um filme marcado por personagens que possuem uma comunicação áspera e que absorve esse tipo de expressão como linguagem. Toda a jornada dura que o espectador enfrenta para acompanhar a trajetória de Alexia é fundamental para que o final catártico preparado pela sua realizadora tenha algum tipo de efeito. É na economia de afetos ao longo da narrativa que Ducornau transforma Titane em uma jornada emocionalmente eficiente no seu desfecho. É um filme que provoca, que angustia e que tem na sua forma seu mais poderoso instrumento narrativo. 



Avaliação:


Título original: Titane
Ano: 2021
Duração: 104 minutos
Disponível no Mubi
Direção: Julia Ducournau
Roteiro: Julia Ducournau
Elenco: Agathe Rousselle, Vincent Lindon, Garance Marillier, Lais Salameh, Mara Cisse, Marin Judas, Myriem Akheddiou, Bertrand Bonello.   

Assista ao trailer:


COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,1,Crítica,315,DVD & Blu-Ray,6,É Tudo Verdade,3,Editorial,2,Ensaios e Artigos,19,Entrevista,2,Extras,9,Listão,34,Matéria Especial,28,Mostra SP,6,Notícias,39,Podcast,3,Prévia,77,Radar Crítico,20,Recomendações,102,Resenhas,255,Rewind,15,TV & Streaming,80,Vídeo,10,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Crítica: Titane
Crítica: Titane
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEj75LEu7MhX_Wae-aWhh_6lwqiAVQNoiEpEINvKwvvUB-ZKKj2Bl9_TykdPBwFnHHwjEwMoEgK59pRVAuyCQhj_cluJBTgGPVUjXD5pnZ_kt4Ewzl4HTm9fR4g0oHfYiQ6jvCm0RZYOEMpPy03jjmz-QNHIdhWq1R3-RfOyLkOxGkWZr-jB6anso_LWZw/w400-h189/baixados%20(2).jpg
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEj75LEu7MhX_Wae-aWhh_6lwqiAVQNoiEpEINvKwvvUB-ZKKj2Bl9_TykdPBwFnHHwjEwMoEgK59pRVAuyCQhj_cluJBTgGPVUjXD5pnZ_kt4Ewzl4HTm9fR4g0oHfYiQ6jvCm0RZYOEMpPy03jjmz-QNHIdhWq1R3-RfOyLkOxGkWZr-jB6anso_LWZw/s72-w400-c-h189/baixados%20(2).jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2022/04/critica-titane.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2022/04/critica-titane.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código