Crítica: Medida Provisória

 


Inspirado na peça Namíbia, não! de Aldri Anunciação, Medida Provisória é uma distopia que aborda uma realidade do Brasil na qual o governo decreta uma medida de "reparação" com os povos negros do país enviando compulsoriamente todos para a África. Diretor e roteirista de Medida Provisória, Lázaro Ramos tem muita familiaridade com o texto já que ele havia sido o diretor da montagem de 2009 a 2011. O texto original e, claro, o filme de Ramos, discute uma série de temas em voga (já não era sem tempo), como o racismo. Há contudo uma atualização no caso brasileiro que torna Medida Provisória ainda mais urgente: vivemos em uma sociedade encabeçada por um governo federal que repudia qualquer divergência e que já demonstrou em diversos episódios sua inclinação fascista, seu desejo de aniquilar grupos sociais. 

As ideias convocadas por Medida Provisória são atraentes, parece um filme revolucionário que diz exatamente aquilo que precisamos ouvir e representa o momento presente do nosso país. O filme de Ramos traz uma premissa original e em diversos momentos anuncia um desenvolvimento interessante para as questões que pontualmente surgem no meio do seu caminho, conforme o cerco vai se fechando contra seus personagens principais, o advogado interpretado por Alfred Enoch, a médica vivida por Taís Araújo e o jornalista de Seu Jorge. No entanto, o grande problema de Medida Provisória reside na direção de Lázaro Ramos, que oras não consegue aplicar o tom mais adequado para sua história, oras se vê envolvido por uma dramaturgia frágil que rende desempenhos surpreendentemente pouco inspirados dos seus atores. 

Lázaro Ramos parece querer aplicar uma montagem "picotada" ao seu filme, não conferindo a sua história e aos seus personagens o mínimo respiro para assimilar os eventos transcorridos. Ao mesmo tempo em que traz uma sequência de forte dramaticidade, se vê obrigado a inserir imagens de arquivo, colocar Elza Soares para cantar "O que se cala"... A alta dose de estímulos é tamanha que o próprio diretor perde o fio da meada. 

A dispersão da direção de Ramos se torna um problema sobretudo quando Medida Provisória dá sinais de forte originalidade (e o filme é repleto de momentos extremamente promissores do ponto de vista da linguagem). Quando o longa deveria explorar determinadas associações e signos, o projeto parece se contentar com a superficialidade de uma sugestão rápida. Isso acontece, por exemplo, quando não consegue tirar proveito das inspiradas sequências de fuga da personagem de Taís Araújo pela mata ou da resistência travada pelo jornalista de Seu Jorge contra um grupo de policiais. As associações entre presente e passado brasileiros estão lá, mas o longa banaliza esses momentos com seu excesso de cortes ou seus ininterruptos estímulos sonoros. 

A abordagem do senso de pertencimento ao Brasil (e do que é ser brasileiro) também é um tema que escapa por entre os dedos do longa e que em dado momento é anunciado em alto e bom som pelo seu protagonista (Enoch) na sacada de um prédio. Isso seria nevrálgico para a compreensão dos sentimentos que arrebatam aqueles personagens diante de uma situação na qual se eles veem obrigados a sair do seu país porque um dado grupo social deturpa a história para fins retóricos e os decreta como pertencentes a outro lugar. Seria algo interessante até como crítica aos representantes do governo que, tal qual o cenário que nos encontramos, se arvoram no direito de se apropriar de nossos símbolos, alegando uma suposta proteção da nossa dignidade, para cometer um número sem fim de atos desumanos (seria isso ser brasileiro, agir como brasileiro, o filme poderia problematizar). 

O maior equívoco do longa, entretanto, é o de não conseguir dimensionar o estado de horror que se instaura de fato na vida dos seus protagonistas quando eles vão gradualmente sendo encurralados pelo governo brasileiro e pela funcionária interpretada por Adriana Esteves. Qualquer atmosfera opressora é diluída no longa por frases de efeito, pelo senso de humor voluntário ou involuntário de alguns personagens e por uma condução que evita qualquer tom mais grave ou enérgico.


O roteiro de Medida Provisória também é um dos percalços do filme já que, como antecipamos, é repleto de diálogos que soam artificiais ou clichês quando saem do papel e vão para a boca dos seus atores. Isso se reflete no desempenho da maioria deles. A escolha de Alfred Enoch para viver o protagonista de Medida Provisória é um pouco incomoda, visto a falta de traquejo evidente do ator com o português. Ao mesmo tempo, atrizes que costumam sempre estar acima da média, como Adriana Esteves, Renata Sorrah e Taís Araújo surgem um pouco over. Se de um lado, Esteves e Sorrah vivem avatares unidimensionais de bolsominions, Araújo tem algumas nuances da sua personagem sabotadas pela própria história.  Por sua vez, Seu Jorge oscila entre bons momentos e outros nos quais o seu personagem acaba se transformando em uma espécie de alívio cômico da história.  

É uma pena que uma ideia tão inspirada quanto a de Medida Provisória renda um filme tão aquém das suas possibilidades, sobretudo por ter nos créditos um artista como Lázaro Ramos, que já deu muitas provas da sua sensibilidade e efervescência criativa. É passível de lamentar sobretudo porque estão em curso temas que são tão caros ao seu realizador e cuja abordagem seria tão pertinente para o Brasil no tempo que vivemos. É o caso de uma boa ideia e de um tema pertinente que não são articulados da melhor forma na obra.  É essencial que o filme seja visto, reconhecido e se torne um sucesso popular, sobretudo no momento social que vivemos, que inclui o completo abandono das nossas artes, mas, infelizmente, o longa falta em diversas frentes com o público e com a sua própria história. 


 Avaliação

Título original: Medida Provisória
Ano: 2022
Duração: 103 minutos
Nos cinemas
Direção: Lázaro Ramos
Roteiro: Lázaro Ramos, Aldri Anunciação e Elísio Lopes Jr.
Elenco: Alfred Enoch, Taís Araújo, Seu Jorge, Adriana Esteves, Renata Sorrah, Aldri Anunciação, Flavio Bauraqui, Mariana Xavier, Hilton Cobra, Dona Diva, Tia Má, Emicida. 

Assista ao trailer:


COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,2,Crítica,315,DVD & Blu-Ray,6,É Tudo Verdade,3,Editorial,2,Ensaios e Artigos,20,Entrevista,2,Extras,9,Listão,32,Matéria Especial,26,Mostra SP,6,Notícias,39,Podcast,3,Prévia,77,Radar Crítico,20,Recomendações,44,Resenhas,132,Rewind,15,TV & Streaming,80,Vídeo,10,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Crítica: Medida Provisória
Crítica: Medida Provisória
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEgU8qZ8GcLHTdjCw7yyfOgDhSq1xjALA5987vytGsH_gelICnEGy8rV2sGsMGESyc5g5oeJovUwOIQCbDi5jtk6CtVmkk7r2D15YpVUzxsNamd5fMM5pk0rs_lbU07s9YzBSDd9iOonYkgz_9M57GfYh-kman7O3iBpLEzWUe5gDdXloIenXcAQViQ0Lg/w400-h189/image_processing20220414-23666-j0d2u9.jpeg
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEgU8qZ8GcLHTdjCw7yyfOgDhSq1xjALA5987vytGsH_gelICnEGy8rV2sGsMGESyc5g5oeJovUwOIQCbDi5jtk6CtVmkk7r2D15YpVUzxsNamd5fMM5pk0rs_lbU07s9YzBSDd9iOonYkgz_9M57GfYh-kman7O3iBpLEzWUe5gDdXloIenXcAQViQ0Lg/s72-w400-c-h189/image_processing20220414-23666-j0d2u9.jpeg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2022/04/critica-medida-provisoria.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2022/04/critica-medida-provisoria.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código