A inspiração de Virginia Woolf em 'Um Romance nas Entrelinhas'


Por trás da fascinante biografia da escritora inglesa Virginia Woolf há uma série de capítulos a serem contados. Em 2002, As Horas de Stephen Daldry explorou os anos de reclusão da escritora, interpretada por Nicole Kidman no pico da manifestação de sua depressão e esquizofrenia enquanto escrevia o romance Sra. Dalloway. Por sua vez, o drama Um Romance nas Entrelinhas explora um outro episódio da vida de Woolf, desta vez em tom de cinebiografia, a sua paixão pela escritora Vita Sackville-West, um encontro que serviu de inspiração para a célebre autora escrever Orlando, um dos seus títulos mais populares e que subverteu muitas expectativas na literatura no que tange a escrita de biografias. 

O longa é dirigido e roteirizado pela jovem cineasta Chanya Button, que junto com a atriz Eileen Atkins, que já interpretou Woolf nos palcos (e também esteve no elenco de As Horas como a florista que aborda a personagem de Meryl Streep no início do filme), adapta como roteiro cinematográfico algumas das cartas trocadas entre as amantes. Muitos desses textos são declamados para o espectador pelas atrizes que interpretam as escritoras, Elizabeth Debicki e Gemma Arterton. O interesse de Um Romance nas Entrelinhas é explorar os aspectos da personalidade de ambas que fizeram as escritoras sentirem atração uma pela outra, mas também justificaram seu afastamento quando Orlando foi publicado por Woolf. 


Enquanto Vita se revela uma mulher desinibida e livre de quaisquer amarras morais para viver suas inúmeras aventuras amorosas ao mesmo tempo em que tem um casamento abertamente de fachada com um diplomata, Virginia sofre com os tormentos da sua própria mente, passando por instabilidades emocionais. No entanto, o filme também mostra como a autora de Sra. Dalloway é lúcida na sua leitura sobre o mundo e sobre as pessoas, revelando-se, no clichê, uma mulher à frente do seu tempo. Um Romance nas Entrelinhas consegue estabelecer esse contraste entre as amantes de maneira bastante consistente, algo que levará o espectador à conclusão sobre a história de amor entre elas no último ato do longa. 

É preciso destacar, no entanto, que há no filme de Button uma evidente dificuldade em construir qualquer cadência emocional, tornando toda a dramatização da tórrida paixão entre as protagonistas monocórdica. A cineasta e roteirista consegue, isoladamente, construir personagens consistentes, mas o encontro entre Vita e Virginia soa um tanto quanto frio, não despertando no espectador qualquer tipo de emoção, o que acaba comprometendo drasticamente o resultado da narrativa visto que todo o seu drama se sustenta na relação entre as escritoras e não em suas biografias isoladamente. Há uma série de ideias sobrepostas no longa que prejudicam o fluir da sua história: a declamação das cartas entre Vita e Virginia, os planos poéticos que sugerem metáforas nas relações das protagonistas etc. Nada disso favorece aquilo que de fato deveria ser o interesse da sua história, a construção dos sentimentos na relação entre as protagonistas aos olhos do espectador, que sequer consegue dimensionar essas emoções para além das palavras proferidas por ambas em tom frio, grandiloquente e enigmático. 

Gemma Arterton e, sobretudo, Elizabeth Debicki, conseguem exibir vestígios de interpretações consistentes para as suas personagens. Enquanto Arterton encontra o tom malicioso e espevitado da sua Vita Sackville-West, Debicki humaniza a doença mental de Virginia Woolf, sendo responsável por cenas extremamente delicadas. É uma pena que a condução não favoreça o encontro entre essas duas figuras. A relação entre Vita e Virginia na tela é um tanto etérea, enquanto suas atrizes conferem consistência às personalidades de ambas. Sendo Um Romance nas Entrelinhas um filme sobre a relação das duas, esse tropeço da história acaba sendo comprometedor no resultado.


Vita & Virginia, 2018. Dir.: Chanya Button. Roteiro: Chanya Button e Eileen Atkins. Elenco: Elizabeth Debicki, Gemma Arterton, Isabella Rossellini, Rupert Penry-Jones, Peter Ferdinando, Emerald Fennell, Gethin Anthony, Rory Fleck Byrne. Disponível no serviço de locação da Apple e no YouTube Filmes, 110 min. 

Assista ao trailer: 


COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,2,Crítica,313,DVD & Blu-Ray,6,Editorial,2,Ensaios e Artigos,8,Entrevista,2,Extras,9,Listão,26,Matéria Especial,26,Notícias,39,Podcast,2,Prévia,77,Radar Crítico,20,Recomendações,22,Resenhas,75,Rewind,15,TV & Streaming,80,Vídeo,2,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: A inspiração de Virginia Woolf em 'Um Romance nas Entrelinhas'
A inspiração de Virginia Woolf em 'Um Romance nas Entrelinhas'
https://1.bp.blogspot.com/-Y1mzhiPs5BA/Xq4nb93N29I/AAAAAAAAdsY/7bZ8P2vaeqIozx8IXm3a7mN2rWGU9d1hQCLcBGAsYHQ/s400/Vita%2Be%2BVirginia.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-Y1mzhiPs5BA/Xq4nb93N29I/AAAAAAAAdsY/7bZ8P2vaeqIozx8IXm3a7mN2rWGU9d1hQCLcBGAsYHQ/s72-c/Vita%2Be%2BVirginia.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2020/05/a-inspiracao-de-virginia-woolf-em-um.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2020/05/a-inspiracao-de-virginia-woolf-em-um.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código