A tragicômica epopeia do homem comum em 'Coringa'


Por Klaus Hastenreiter

“Em toda minha vida, eu nem sabia se existia”. Cercado em meio ao turbilhão dos anos 80, pelo cinema e programas de televisão, pela ostentação dos grandes nomes de Gotham City e a desigualdade proporcionada pelo capitalismo da cidade grande, é apenas natural a observação de Arthur Fleck, o protagonista de Coringa. Sua busca por uma identidade, em uma vida marcada por abuso e fracasso, é construída nos moldes de uma verdadeira jornada do herói, distorcendo os valores oferecidos por uma sociedade organizada em ações puramente caóticas.

É através do caos, dos eventos aleatórios, que surge o alter ego de Fleck, o Coringa. Seu processo de transformação é o foco principal do longa, em um movimento de ruptura com os bons costumes e a hipocrisia para atingir o ápice de seu potencial. Como um exemplo bastante eficaz de estudo de personagem, alguns elementos, como o corpo de Joaquin Phoenix, esquelético e pálido, revelam o interior de um homem doente que precisa chegar no limite de sua humanidade para se encontrar. Em contraste, os olhares doces e os sorrisos inocentes de Arthur, em meio a uma cidade feia e suja como Gotham, nos apresentam um lado ingênuo do palhaço.


Puro como um pierrot descobrindo seus primeiros passos de dança, uma cena se destaca em meio a tamanha violência que irá pesar sob o desenrolar do filme. Em um banheiro público imundo, onde mal consegue-se enxergar com nitidez seu reflexo no espelho, Arthur finalmente relaxa seu corpo constantemente retraído, em uma dança expansiva e libertadora. Como se finalmente conseguisse se tornar o maestro de seu próprio destino, Fleck, após cometer seus primeiros assassinatos, estava a um passo de se tornar o Palhaço do Crime. O Coringa, a carta do baralho que não tem naipe e nem número, investe no protagonista a liberdade de ser o que ele quiser ser dentro do caótico baralho da cidade de Gotham.

Enquanto Heath Ledger em 2008, em Batman: O Cavaleiro das Trevas, buscou em figuras underground do rock e em perfis psicopatas para construir seu Coringa, Joaquin Phoenix investiga na própria arte da palhaçaria os elementos físicos e psicológicos de sua versão. Sua forma apaixonada de ver o mundo a sua volta, com olhos bem abertos e reações quase expressionistas aos absurdos que o rodeia, dá um caráter de sonhador desregulado ao personagem. Os tons mais saturados de seu figurino, que agora traz o vermelho e o amarelo para seu paletó, não apenas traçam a ligação direta com as cores vivas do palhaço contemporâneo, mas auxilia de forma eficaz na construção de uma personalidade própria, expansiva e dissonante à violência inerente do Coringa.


E é interessante notar a escolha de Todd Phillips para a cadeira da direção do projeto. Atrelado ao filme desde o início de sua concepção, Philips, diretor conhecido por comédias como Se Beber não case e Um Parto de Viagem, transita bem entre os gêneros que Coringa se esbarra. Sua atmosfera e estilo de ritmo e enquadramento nos remete ao filme de crime dos anos 70, a Scorcese e as ruas imundas da Nova York de Taxi Driver (sendo o próprio Arthur Fleck um reflexo da mesma sociedade que produziu Travis), enquanto o caos de algumas de suas escolhas narrativas nos transporta para a comédia de erros dos irmãos Coen (o humor “pesado” já trabalhado por Philips em seus filmes anteriores). Coringa, mesmo sendo uma amalgama de filmes já consagrados pelo imaginário universal, consegue atingir a difícil tarefa de conquistar uma personalidade muito própria e autoral através do respeito e delicadeza como filma seu protagonista.

Prazeroso e desconfortável, embebido por diversas contradições humanas, Coringa nega toda a pretensão megalomaníaca dos títulos baseados em quadrinhos para fazer uma verdadeira graphic novel cinematográfica. O interesse aqui não é contar a história do vilão do Batman, mas construir a narrativa do homem que quer e precisa ser ouvido, dos excluídos e marginalizados que não terão seus rostos celebrados na TV, dos “palhaços” que sustentam a pirâmide capitalista e que, ao serem colocados neste lugar, serão capazes de fazer desmoronar através do caos. Tudo isso, com um belo sorriso pintado no rosto.


Joker, 2019. Dir.: Todd Phillips. Roteiro: Todd Phillips e Scott Silver. Elenco: Joaquin Phoenix, Robert DeNiro, Zazie Beetz, Frances Conroy, Brett Cullen, Shea Whigham, Bill Camp, Glenn Fleshler, Leigh Gill, Josh Pais. Warner, 121 min. 

Assista ao trailer:

COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,2,Crítica,304,DVD & Blu-Ray,6,Editorial,2,Entrevista,2,Extras,9,Listão,22,Matéria Especial,26,Notícias,39,Prévia,77,Radar Crítico,20,Rewind,15,TV & Streaming,76,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: A tragicômica epopeia do homem comum em 'Coringa'
A tragicômica epopeia do homem comum em 'Coringa'
https://1.bp.blogspot.com/-j2-3G8ta2OU/XZVcjsHHjOI/AAAAAAAAALk/0mE_VPJIFho8Bd3PsO01PXR7rpHmu076QCLcBGAsYHQ/s400/Joker-Movie-Hires-Stills-Warner-Bros.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-j2-3G8ta2OU/XZVcjsHHjOI/AAAAAAAAALk/0mE_VPJIFho8Bd3PsO01PXR7rpHmu076QCLcBGAsYHQ/s72-c/Joker-Movie-Hires-Stills-Warner-Bros.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2019/10/coringa.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2019/10/coringa.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código