A resistência cinematográfica da cultura brasileira em 'Bacurau'


por Klaus Hastenreiter

Já em seus créditos iniciais, Bacurau, novo filme escrito e dirigido por Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho, revela musicalmente a chave para a compreensão de sua proposta. “Eu vou fazer uma canção pra ela, uma canção singela, brasileira” diz a letra de Caetano Veloso pela voz de Gal Costa, mostrando desde o início da projeção o caráter pessoal de sua obra. A tal “canção brasileira”, o filme a ser exibido, é um manifesto sobre a cultura brasileira e as relações estranhas que ela desperta num contexto internacional extremamente opressor.

A cidade de Bacurau é transposta para tela como um resquício de humanidade em um futuro próximo, guardada por personagens orgulhosos por representar o que há de mais tradicional e típico do interior do nordeste. Bacurau é uma cidade de resistência, que avança pelo tempo com o progresso das inclusões identitárias, étnicas e sexuais, e ao mesmo tempo finca o pé em suas origens culturais. Uma sociedade alternativa que desafia a capacidade do capital estrangeiro de apagar sua existência do mapa, de ignorar sua História e pasteurizar seu estilo de vida por uma globalização unilateral. Bacurau é a luta do nordeste brasileiro para se manter vivo.


O longa lida com a seriedade do contexto social de maneira respeitosa, mas sem perder a oportunidade de criar ironia em gags visuais e na construção de diálogos divertidos. Em determinado momento, a carioca Maria, personagem de Karine Telles, após explanar sobre a superioridade do sudeste brasileiro em relação ao nordeste, destacando a cor branca de sua pele, é questionada por um estadunidense.Você é branca? pergunta o rapaz, ao segurar um par de binóculos em direção ao rosto de Maria ao seu lado.  A relação de poder é ridicularizada através de um novo referencial hierarquicamente superior na "cadeia alimentar" capitalista, e com o tempo os próprios clichês do cinema americano são utilizados em favor desse pastiche.

O estilo do filme transita de maneira fluida entre o western, adaptando o velho oeste estadunidense para o interior brasileiro, e a ficção científica futurista, distópica e ao mesmo tempo coerente com nossa política atual. A tensão criada para dar peso aos conflitos estabelecidos em tela se pautam em um uso sábio do zoom, direcionando a visão do espectador para detalhes em cena, ao mesmo tempo em que dilata suas ações na criação de suspense. O uso de movimentos panorâmicos velozes, chicotes, também saltam em tela positivamente, destacando mudanças de rumo dentro de uma narrativa inquietante e surpreendente.

A montagem de Eduardo Serrano (Divino Amor, Aquarius), auxilia na construção do tempo particular desse local “ficcionalmente realista”, alternando entre o corte naturalista, quase que documental, e a brincadeira de inserir transições criativas. Destaque para uma transição específica, onde um plano se revela lateralmente de forma gradativa até sobrepor por completo seu anterior, utilizado repetidas vezes tanto em Bacurau quanto na saga Star Wars, ressaltando novamente o jogo ficcional aqui elaborado.


Há também uma interessante estilização da violência de forte influência no cinema estadunidense dos anos 70.  Sem perder o caráter nacionalista da obra, o longa brinca com um estilo autoral de gênero que começa em Martin Scorsese e vai até a contemporaneidade com Quentin Tarantino. Desse último, a cinefilia também se torna uma grande referência, e o filme não se priva de fazer ligações visuais e sonoras a gêneros como crime e terror, inclusive reutilizando por completa uma faixa musical original do filme A Bruma Assassina em sua banda sonora.

Como “um objeto não identificado”, Bacurau é uma carta apaixonada para a cultura nacional, singela como uma canção de amor e brasileira de corpo e alma. Um filme catártico, que explora com sabedoria escolhas estilisticas extremamente chamativas sem perder a pureza de seu conteúdo. “Minha paixão há de brilhar na noite… No céu de uma cidade do interior”, diz a letra de Caetano, prenunciando o poder de um filme icônico que irá brilhar no céu junto aos grandes clássicos do Cinema Brasileiro, orgulhoso de suas raízes nordestinas e capaz de resistir às chuvas de balas do western da vida real.


Bacurau, 2019. Dir.: Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Roteiro: Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Elenco: Barbara Colen, Sônia Braga, Udo Kier, Karine Teles, Chris Doubek, Alli Willow, Jonny Mars, Antonio Saboia, Thomas Aquino, Julia Marie Peterson. Vitrine Filmes, 131 min. 

Assista ao trailer:


COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,2,Crítica,297,DVD & Blu-Ray,6,Editorial,2,Entrevista,2,Extras,9,Listão,22,Matéria Especial,26,Notícias,39,Prévia,77,Radar Crítico,20,Rewind,15,TV & Streaming,75,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: A resistência cinematográfica da cultura brasileira em 'Bacurau'
A resistência cinematográfica da cultura brasileira em 'Bacurau'
https://1.bp.blogspot.com/-ET5WHNbb6nY/XVsEvkSXiWI/AAAAAAAAAK0/iJwHU36JXCM1VUzjOPvLcx0iNHnXelDQACLcBGAs/s400/Bacurau.png
https://1.bp.blogspot.com/-ET5WHNbb6nY/XVsEvkSXiWI/AAAAAAAAAK0/iJwHU36JXCM1VUzjOPvLcx0iNHnXelDQACLcBGAs/s72-c/Bacurau.png
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2019/08/bacurau.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2019/08/bacurau.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código