Forma e conteúdo tentam encontrar harmonia em 'Paris 8'


Paris 8 é um filme que questiona a sustentação das paixões da juventude na maturidade. O cineasta Jean-Paul Civeyrac faz uma narrativa sobre um jovem do interior da França que vai para Paris estudar cinema na Sorbonne e empreende uma jornada de amadurecimento pessoal no ambiente acadêmico através das relações estabelece ao longo de sua trajetória. Do próprio meio universitário, já que fora diretor da La Fémis e atualmente ensina na Universidade Paris 8, Civeyrac utiliza sua experiência desde a época de estudante de cinema para narrar esse enfrentamento da vida e o lugar do romantismo pela profissão nesse cenário, atraindo uma inevitável empatia especialmente por espectadores que tenham passado por jornada semelhante. 

Como forma, Civeyrac traz para Paris 8 uma atmosfera típica do cinema francês da metade do século passado, emulando o preto e branco na paleta de cores da sua fotografia, o ritmo lento no desenrolar da sua história e na maneira como seus personagens estabelecem suas dinâmicas de relacionamento e transitam na tela, assim como as inúmeras divagações filosóficas espalhadas pelo roteiro. Esse esforço de contrapor sua forma com o discurso do filme traz uma promessa para Paris 8: utilizar estratégias cinematográficas de uma escola do cinema marcada pelo romantismo, arrojo artístico e engajamento político num contexto contemporâneo, dotado inescapavelmente de uma crise de identidade do próprio cinema. Os jovens estudantes de Paris 8 carregam um romantismo pelo seu objeto de estudo, mantendo a crença de que o cinema de fato pode empreender transformações, mas também oscilam com a apatia de um contexto social que os leva a não ter muita segurança dessa percepção. 


O diálogo que Paris 8 procura empreender entre discurso e forma, uma espécie de crítica a suas referências no mundo real acaba não sendo muito efetivo da parte do seu realizador, transformando o longa numa jornada psicológica que poderia ser facilmente encurtada, afinal ostenta quase duas horas e meia de duração. O espectador fica um pouco incerto do que Civeyrac quer efetivamente dizer com tal junção, afinal não há nem vestígio da ironia que poderia transformar Paris 8 num pertinente e poderoso metadiscurso. Dos males, o menor, ao menos nessa conjuntura desarmonica o filme demonstra sinais de conseguir fazer com que sua narrativa se sustente sem estar completamente ensimesmado na metalinguagem.

O elenco de jovens e inexperientes atores é um ganho para o longa já que todos trazem um certo frescor e ingenuidade para seus personagens, pontos extremamente necessários para a experiência do espectador com a narrativa. A performance do jovem Adranic Manet é um ponto especialmente forte de Paris 8. O ator consegue dimensionar todo o amadurecimento do protagonista ao longo da história, fazendo com que seja possível que o jovem Etienne que conhecemos acanhado e encantado com os primeiros contatos no ambiente universitário se transforme ao final do filme num homem mais pragmático, até mesmo nos seus relacionamentos amorosos.

No final das contas, Paris 8 acaba sendo eficiente naquilo que tem a dizer sobre o lugar do cinema e a sua percepção romântica de transformação do mundo pela arte num cenário apático, utilitário e de fervor político frágil que vivemos. O filme finaliza com questionamentos sem respostas que parecem atormentar o seu protagonista e que, possivelmente, encontrará eco no público: Qual o lugar do cinema como prática intelectual, política e expressiva no contexto atual? A sensação de uma geração anacrônica, presa no presente a um passado que não vivenciou e sem compreender que, como qualquer outra prática, há a urgência de fazer com que ela se desagarre da sua própria história, se adapte e abrace o agora fica como um gosto amargo dentro e fora da tela. 


Mes provinciales, 2018. Dir.: Jean-Paul Civeyrac. Roteiro: Jean-Paul Civeyrac. Elenco: Andranic Manet, Corentin Fila, Diane Rouxel, Jenna Thiam, Gonzague Van Bervesseles, Nicolas Bouchaud, Valentine Catzéflis, Charlotte Van Bervesseles, Sophie Verbeeck. Cineart, 137 min. 

Assista ao trailer:


COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,1,Crítica,178,DVD & Blu-Ray,6,Editorial,2,Entrevista,2,Extras,9,Listão,18,Matéria Especial,20,Notícias,31,Prévia,77,Radar Crítico,20,Rewind,9,TV & Streaming,44,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Forma e conteúdo tentam encontrar harmonia em 'Paris 8'
Forma e conteúdo tentam encontrar harmonia em 'Paris 8'
https://3.bp.blogspot.com/-0SrpZw1L-Yo/WvoPvgFwvAI/AAAAAAAAZy0/uIHomGJwav4d8CtIB0Acf-OqNEtPUQ-ewCLcBGAs/s400/Paris%2B8.jpg
https://3.bp.blogspot.com/-0SrpZw1L-Yo/WvoPvgFwvAI/AAAAAAAAZy0/uIHomGJwav4d8CtIB0Acf-OqNEtPUQ-ewCLcBGAs/s72-c/Paris%2B8.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2018/05/paris-8.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2018/05/paris-8.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código