Fenômeno pop, 'A Barraca do Beijo' derrapa na representação do amor


Produção original da Netflix, a comédia romântica teen A Barraca do Beijo virou um fenômeno popular nas últimas semanas. Como nem sempre popularidade anda de mãos dadas com a qualidade do material, o filme é mais um exemplar que evidencia a falta de cuidado da divisão de filmes da Netflix com suas obras nesse formato, algo que acontece com pouca frequência nas séries, juntando-se ao catálogo sem fim de títulos esquecíveis que incluem as comédias protagonizadas por Adam Sandler. 

Baseado no romance best-seller de Beth Reekles, o filme conta a história de uma adolescente que se apaixona pelo irmão do seu melhor amigo e estreita esse relacionamento depois de propor uma barraca do beijo em um evento estudantil. O grande problema é que, desde criança, ela estabeleceu que uma das regras da amizade dos dois é que nenhum deles se relacionaria com parentes do amigo a fim de não estremecer a relação. 


Apoiado em algumas estratégias do gênero, óbvio que A Barraca do Beijo tem um público direcionado e ninguém está exigindo do filme um tratamento de "filme de arte" como alguns podem acusar. Acontece que o longa é problemático por duas vias, como estrutura narrativa e naquilo que tem a dizer sobre os temas que convoca. O pior de tudo é que utiliza algumas armas para camuflar seus deslizes.

O roteiro do longa é uma esquisitice à parte. O conflito principal da trama é a regra estabelecida entre os amigos Elle e Lee quando crianças e a quebra dessa promessa quando a garota se apaixona pelo irmão mais velho dele, Noah. Sério! Isso é tratado como uma grande tragédia familiar no filme pelos personagens, como se a garota cometesse um incesto. O grande problema é que em momento algum o espectador é esclarecido sobre a razão da quebra da promessa gerar uma crise na amizade dos protagonistas, ainda que ela esteja presente durante todo o filme atormentando a personagem, e as informações que são dadas ao espectador não o convencem da proporção que tudo aquilo toma.

 Esse é só um dos vestígios que evidenciam a ingenuidade com a qual os personagens e suas relações são conduzidas nessa história, fazendo com que a trama não pareça apenas ser dirigida a adolescentes como feita por um que ainda não tem traquejo e maturidade sobre as dinâmicas de qualquer relacionamento (as informações dão conta de que a autora do livro o escreveu quando era adolescente, o que em nada a abona do equívoco). As regras que norteiam as relações dos personagens são esquisitas não apenas nesse ponto, todos agem de maneira estranha na relação com seus corpos e com os corpos dos demais, por exemplo. A câmera do diretor Vince Marcello tem uma obsessão em criar situações que forçam sua protagonista adolescente a tirar a roupa, por sua vez, o galã do filme também aparece com frequência e sem a menor justificativa sem camisa - possivelmente, uma das armas da produção para camuflar os deslizes do seu roteiro. 

Como se não bastasse, o longa derrapa na concepção de amor que tenta representar através do relacionamento amoroso de Elle e Noah, mas também da amizade entre ela e Lee. Ambos protagonistas masculinos são extremamente possessivos com a garota e tudo é tratado no longa como uma demonstração do amor que ambos sentem por ela. Lá pelas tantas, o roteiro tenta corrigir a derrapada cometida em quase uma hora e quarenta de duração da história com uma fala da personagem que anuncia sua libertação das amarras que a vinculavam a um deles para imediatamente ceder aos encantos do outro, passando uma borracha em seu comportamento agressivo. Não é surpreendente (mas assusta) que em tempos de Cinquenta Tons de Cinza seja esse tipo de representação de um relacionamento amoroso que esteja fazendo a cabeça de uma geração teen.


The Kissing Booth, 2018. Dir.: Vince Marcello. Roteiro: Vince Marcello. Elenco: Joey King, Joel Courtney, Jacob Elordi, Molly Ringwald, Bianca Bosch, Jessica Sutton, Meganne Young, Byron Langley. Netflix, 105 min. 

Assista ao trailer: 


COMENTÁRIOS

BLOGGER: 3
Loading...
Nome

Agenda,14,Checklist,11,Cinco Atos,1,Crítica,166,DVD & Blu-Ray,6,Editorial,2,Entrevista,2,Extras,9,Listão,18,Matéria Especial,17,Notícias,26,Prévia,77,Radar Crítico,20,Rewind,6,TV & Streaming,42,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Fenômeno pop, 'A Barraca do Beijo' derrapa na representação do amor
Fenômeno pop, 'A Barraca do Beijo' derrapa na representação do amor
https://2.bp.blogspot.com/-9vXkma9cJ7M/WwAIW2JG07I/AAAAAAAAZ0I/yDC_sr3gotMhp5gUjE9EU-i4-tibO8wwQCLcBGAs/s400/A%2BBarraca%2Bdo%2BBeijo.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-9vXkma9cJ7M/WwAIW2JG07I/AAAAAAAAZ0I/yDC_sr3gotMhp5gUjE9EU-i4-tibO8wwQCLcBGAs/s72-c/A%2BBarraca%2Bdo%2BBeijo.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2018/05/fenomeno-pop-barraca-do-beijo-derrapa.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2018/05/fenomeno-pop-barraca-do-beijo-derrapa.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código