Abordagem madura faz 'Pantera Negra' trazer novos ares para Marvel


A Marvel Studios alcançou um status tão forte entre seus fãs e parte da crítica que passou a ser difícil se posicionar com reservas a respeito de alguns dos seus filmes ou do seu projeto cinematográfico sem que o porta-voz dessa percepção sofra algum tipo de censura. Mérito total de um estúdio que praticamente consolidou uma fórmula eficiente de comunicação com o seu público instituindo uma gramática para filmes de super-heróis que até a concorrência mira vez ou outra. No entanto, ainda que seus fãs celebrem títulos como Capitão América: Guerra CivilHomem-Aranha: De Volta ao Lar e Thor: Ragnarok,  muitas vezes de maneira excessivamente entusiasmada como verdadeiras revoluções cinematográficas, nenhum deles chega a fazer o que Pantera Negra faz pelo catálogo do estúdio ao ir na contramão do esperado humor adolescente que freia qualquer impacto dramático na narrativa como se ceder à urgência da trama afugentasse sua plateia cativa. Próximo de Pantera Negra, apenas Capitão América: Soldado Invernal

O filme de Ryan Coogler trata com maturidade o seu universo fantástico, sem recorrer ao cinismo e a autorreferência que muitas vezes fazem com que os filmes do estúdio se transformem em obras efêmeras. Ao contar a história do príncipe T'Challa assumindo o trono de Wakanda e tudo o que vem junto com o título, incluindo a identidade do Pantera Negra e a responsabilidade de administrar a riqueza que o fictício país africano esconde a "sete chaves", Coogler desenvolve uma série de temas relacionados às relações políticas internacionais de exploração dos povos legadas pela história e, sobretudo, o preconceito racial que manifesta problemas localizados na sociedade, entre eles, o ódio e a violência que se ramifica ao longo do tempo. Tudo isso é desenvolvido com maturidade por um roteiro e direção que consegue provar que não é necessário ser infantil ou sisudo demais para oferecer uma obra de fantasia comercialmente viável e minimamente marcante do ponto para o espectador, algo que, honestamente, poucas vezes vimos nos longas de super-heróis recentemente, sejam eles com o selo da Marvel ou da DC Comics. 


Com sua trama de conflitos familiares e sucessões de trono atreladas a metáforas a respeito de problemas sociais e da geopolítica, Pantera Negra ainda consegue desenvolver uma mitologia riquíssima em torno da fictícia Wakanda e das complexas relações políticas e afetivas tensionadas pelos seus personagens. Os habitantes dessa mitologia possuem, por vezes, percepções divergentes sobre a maneira como a riqueza de Wakanda deve ser administrada (protegida localmente para proteger os povos que a habitam ou compartilhá-la com o mundo?), bem como códigos de conduta particulares (dever a Wakanda, independente de quem assume o trono e em que circunstâncias, ou às relações de afeto e respeito que são criadas?). Tudo isso faz com que o filme ofereça para o espectador um mosaico de personagens interessantes que, a todo instante, provoca o público a considerar pontos de vista e repensar julgamentos sobre as ações provocadas, mesmo quando o foco das atenções é o vilão muito bem interpretado por Michael B. Jordan. 

Desde Capitão América: Soldado Invernal de 2014, a Marvel não oferecia uma obra capaz de deixar de lado a segurança de uma fórmula de sucesso para abraçar novos horizontes, além da potencialidade a ser explorada pelo universo peculiar de um dos seus personagens. Seria demais esperar que os próximos filmes do estúdio tivessem 1/10 da relevância de Pantera Negra porque possivelmente o rolo compressor da indústria deve legar um exemplar como esse num hiato relativamente longo de tempo. No entanto, é interessante que um evento assim seja realmente localizado na filmografia para conseguirmos distinguir aquilo que de fato é singular no catálogo da Marvel Studios daquilo que somente aparenta ser revolucionário mas que no fundo segue um "manjado" protocolo dos filmes de super-heróis. Pantera Negra é outra história. 


Black Panther, 2018. Dir.: Ryan Coogler. Roteiro: Ryan Coogler e Joe Robert Cole. Elenco: Chadwick Boseman, Michael B. Jordan, Lupita Nyong'o, Danai Gurira, Letitia Wright, Angela Bassett, Forest Whitaker, Andy Serkis, Sterling K. Brown, Martin Freeman, Daniel Kaluuya, Winston Duke. Disney, 134 min. 

Assista ao trailer:


COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,14,Checklist,10,Cinco Atos,1,Crítica,165,DVD & Blu-Ray,6,Editorial,2,Entrevista,2,Extras,9,Listão,18,Matéria Especial,17,Notícias,25,Prévia,77,Radar Crítico,20,Rewind,6,TV & Streaming,41,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Abordagem madura faz 'Pantera Negra' trazer novos ares para Marvel
Abordagem madura faz 'Pantera Negra' trazer novos ares para Marvel
https://2.bp.blogspot.com/-dbUlaK-qz1I/WpSd5uDoCAI/AAAAAAAAZcw/3kvwUYw9qLEacm55D6f8xsMEh-IGRAtgQCLcBGAs/s400/black-panther-2560x1440-cast-marvel-comics-2018-4k-10763.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-dbUlaK-qz1I/WpSd5uDoCAI/AAAAAAAAZcw/3kvwUYw9qLEacm55D6f8xsMEh-IGRAtgQCLcBGAs/s72-c/black-panther-2560x1440-cast-marvel-comics-2018-4k-10763.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2018/02/abordagem-madura-faz-pantera-negra.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2018/02/abordagem-madura-faz-pantera-negra.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código