'Moonlight' é sensível com a jornada de autodescoberta do seu protagonista


Lidar com a própria homossexualidade não é fácil para qualquer criança ou adolescente. O medo e as agressões do preconceito conseguem deixar marcas que nem mesmo a maturidade cicatrizam. Dimensione este mesmo cenário na vida de um garoto negro que já tem obstáculos o suficiente e que ainda está inserido em um ambiente social com poucas perspectivas de futuro. Moonlight: Sob a Luz do Luar não precisa, nem deseja, fazer manifesto com a sua existência enquanto obra cinematográfica, mas a sua presença é, por si só, um ato político ao sublinhar com a jornada de autodescoberta do seu personagem a importância que histórias como as do jovem Chiron tenham vez no cinema.

No seu segundo longa (o anterior fora Medicine for Melancholy, que sequer chegou por aqui), o americano Barry Jenkins nos traz um conto dividido em três fases que correspondem a momentos específicos da vida de Chiron, jovem negro que cresce no subúrbio de Miami com sua mãe viciada em drogas. Em meio a um contexto social marcado pelo tráfico, Chiron procura manter-se fora dos atrativos da vida do crime e lida com o bullying dos colegas de escola enquanto se descobre homossexual.

Assumindo uma abordagem de crônica cinematográfica, tudo o que Moonlight tem a oferecer ao seu público é a vida do seu personagem principal e isso é muito. Jenkins adota uma câmera que confronta seus personagens em planos fechados, como se, ao mesmo tempo buscasse dos mesmos uma autodefinição e os desnudasse em suas emoções, palavras, contradições e erros. Sem firulas visuais, o diretor interfere no longa quando tem que interferir, mas também deixa que o seu excelente elenco conduza uma história calcada incontestavelmente na humanidade em estado bruto.

Uma das principais forças de Moonlight é seu trio de protagonistas, cada um dando seu toque pessoal a fases específicas da vida de Chiron, que propositalmente ganham diferentes denominações em cada uma delas, o que dá o tom da eterna busca do rapaz pela sua própria identidade. O "Pequeno" é interpretado por Alex R. Hibbert que com tão pouca idade consegue captar como ninguém a expressão corporal de um menino que se sente coagido pela sociedade, andando de cabeça baixa, corpo encurvado e voz praticamente inaudível. Depois somos captados pelo trabalho de Ashton Sanders, o único ator do trio cujo capítulo recebe como alcunha o nome do próprio Chiron. Sanders compõe uma adolescência na defensiva, mas que começa a dar vazão a seus próprios desejos. Ao fim, temos um expressivo Trevante Rhodes, que tem o trabalho de compor dois personagens em um, o Chiron e o "Black", que dá título ao seu capítulo no filme. Nosso protagonista adulto prefere viver à sombra de um personagem durão que cria para si do que enfrentar tudo aquilo que já encarou afinal seu contexto parece tragá-lo para um único caminho possível, coisa que ao final, de forma esperançosa, se dilui em uma das cenas mais poéticas do longa. Juntam-se aos três coadjuvantes precisos em suas interpretações, como Janelle Monáe (que esteve radiante em Estrelas Além do Tempo) e Naomie Harris, a mãe do protagonistas nos três tempos da história, além de Mahershala Ali, presença somente na primeira parte da história mas o suficiente para marcar o público e a vida de Chiron.    

A estrutura em três capítulos que confere ao segmento do seu protagonista na adolescência o "privilégio" de ser o único a fazer referência ao nome real do personagem, Chiron, é um indicativo do entendimento do filme sobre o próprio.  Ele "não é" nem o "Pequeno", imagem forjada por seus agressores, nem mesmo "Black", um personagem durão que ele mesmo construíra como uma espécie de couraça contra a intolerância, mas a do adolescente em constante descoberta de si mesmo, não a criança acuada pelo controle social, tampouco o adulto que cria armaduras para se defender. Com tamanha grandiosidade de espírito e sentimento, Moonlight é uma obra cuja força consegue se impor à boa impressão que seu status cinematográfico já lhe conferiu.

Moonlight, 2016. Dir.: Barry Jenkins. Roteiro: Barry Jenkins. Elenco: Alex R. Hibbert, Ashton Sanders, Trevante Rhodes, Mahershala Ali, Janelle Monáe, Naomie Harris, André Holland, Jharrel Jerome, Jaden Piner, Stephon Bron. Diamond Filmes, 111 min. 

Assista ao trailer do filme:

COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,6,Checklist,5,Cinco Atos,1,Crítica,76,DVD & Blu-Ray,5,Editorial,2,Entrevista,1,Extras,3,Listão,13,Matéria Especial,4,Prévia,25,Radar Crítico,13,Rewind,3,TV & Streaming,12,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: 'Moonlight' é sensível com a jornada de autodescoberta do seu protagonista
'Moonlight' é sensível com a jornada de autodescoberta do seu protagonista
https://2.bp.blogspot.com/-rj1OYSKCQgw/WKRGKm0nEVI/AAAAAAAAWjI/bzAoYoOs77wcT7e42CUUr5S-swzJD_xNACLcB/s400/mahershala-ali-moonlight.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-rj1OYSKCQgw/WKRGKm0nEVI/AAAAAAAAWjI/bzAoYoOs77wcT7e42CUUr5S-swzJD_xNACLcB/s72-c/mahershala-ali-moonlight.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2017/02/critica-moonlight-e-sensivel-com.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2017/02/critica-moonlight-e-sensivel-com.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código