'La La Land: Cantando Estações' vence 7 categorias no Globo de Ouro


Vencedor de 7 categorias no Globo de Ouro, um feito raro em uma premiação que costuma distribuir suas estatuetas de maneira "democrática" entre os títulos indicados, o musical La La Land: Cantando Estações, de Damien Chazzelle foi o grande destaque da noite de ontem. O filme levou os prêmios de melhor filme comédia/musical, direção, roteiro, atriz comédia/musical (Emma Stone), ator comédia/musical (Ryan Gosling), trilha sonora original e canção, para "City of Stars".

Na categoria drama, o vencedor do prêmio de melhor filme, Moonlight: Sob a Luz do Luar não teve o êxito que muitos esperavam. Esperava-se que o drama de Barry Jenkins, assim como Manchester à Beira-Mar, vencedor apenas na categoria melhor ator drama (Casey Affleck), pudesse ficar com algumas estatuetas importantes como roteiro e direção, mas boa parte dos louros de ontem a noite ficou com Damien Chazelle e cia.

A grande surpresa da noite ficou por conta do azarão Aaron Taylor-Johnson que venceu como melhor ator coadjuvante por seu trabalho em Animais Noturnos. Quer dizer, surpresa em partes, para um filme que recebeu as críticas mistas e conseguiu 3 indicações importantes (direção, roteiro e ator coadjuvante) como o longa de Tom Ford podemos dizer que foi uma surpresa calculada. Taylor-Johnson bateu o favorito Mahershala Ali de Moonlight: Sob a Luz do Luar. Não sei se esse resultado se repetirá no Oscar. Aliás, difícil saber até mesmo se Taylor-Johnson será lembrado em outra premiação além do Globo de Ouro. 

Os demais premiados nas categorias de cinema foram Zootopia como melhor longa de animação e Elle, que levou melhor filme em língua estrangeira e (para a torcida de muitos) melhor atriz drama, o que fez com que a francesa Isabelle Huppert batesse favoritas como Natalie Portman (Jackie) e Amy Adams (A Chegada), e Cercas, que rendeu a Viola Davis o prêmio de melhor atriz coadjuvante. 

Numa noite de surpresas mais moderadas que o padrão para o Globo de Ouro, uma apresentação sem graça do host Jimmy Fallon (por favor, tragam Tina Fey e Amy Poehler de volta!) e discursos comedidos, o destaque mesmo ficou por conta de Meryl Streep que recebeu o prêmio Cecil B.DeMille pela sua carreira e foi responsável por uma das falas mais emocionantes e politicamente engajadas da noite. Um discurso direto para a era Trump. Leia na íntegra abaixo (via Mulheres no Cinema): 

“Muito obrigada. Por favor, sentem-se. Obrigada. Amo todos vocês. Vocês terão de me desculpar, pois perdi minha voz gritando e me lamentando nesta semana. E perdi minha cabeça em algum momento deste ano, então preciso ler [o discurso]. Obrigada, Associação de Jornalistas Estrangeiros de Hollywood [grupo responsável pelo Globo de Ouro]. Pegando a deixa do que disse o Hugh Laurie: vocês, e todos nós neste auditório, realmente pertencem ao segmento mais demonizado da sociedade americana hoje. Pensem bem: Hollywood, estrangeiros e a imprensa.
Mas quem somos nós? O que é Hollywood, afinal de contas? É apenas um monte de gente de lugares diferentes. Nasci, fui criada e educada nas escolas públicas de Nova Jersey. Viola [Davis] nasceu em uma fazenda na Carolina do Sul e cresceu em Central Falls, Rhode Island. Sarah Paulson nasceu na Flórida e foi criada por uma mãe solteira no Brooklyn. Sarah Jessica Parker é de uma família de sete ou oito crianças de Ohio. Amy Adams nasceu em Vicenza, na Itália, e Natalie Portman nasceu em Jerusalém – cadê a certidão de nascimento delas? A linda Ruth Negga nasceu em Addis Abeba, na Etiópia, e foi criada na Irlanda, acredito, e está aqui, indicada por interpretar uma garota de uma pequena cidade da Virgínia. Ryan Gosling, como todas as pessoas mais legais, é canadense. E Dev Patel nasceu no Quênia, foi criado em Londres, e está aqui por interpretar um indiano criado na Tasmânia.
Então Hollywood está cheia de outsiders e estrangeiros, e se você expulsar todos eles [dos Estados Unidos] não terá nada para assistir além de futebol e artes marciais, que não são as artes.
Me deram três segundos [para concluir o discurso], então…O único trabalho do ator é entrar na vida de pessoas diferentes de nós e fazer você sentir como é. Houve muitas, muitas, muitas atuações poderosas este ano que fizeram exatamente isso – trabalhos de tirar o fôlego, cheios de compaixão. Mas houve uma atuação este ano que me chocou, que cravou um gancho no meu coração. Não porque foi boa. Não foi nada boa. Mas foi eficaz e conseguiu o que queria, fez o público-alvo rir e mostrar os dentes. Foi aquele momento em que a pessoa que estava pedindo para sentar na cadeira mais respeitada do nosso país imitou um repórter com deficiência – alguém em relação a quem ele tinha mais privilégio, mais poder e mais capacidade de enfrentar. [Esta cena] meio que partiu meu coração, e ainda não a consegui tirar da minha cabeça, porque não foi em um filme, foi na vida real.
E esse instinto de humilhar, quando é exibido por alguém em uma plataforma pública, por alguém poderoso, é filtrado na vida de todo mundo, porque meio que dá permissão para outras pessoas fazerem o mesmo. O desrespeito convida ao desrespeito, a violência incita violência. Quando os poderosos usam sua posição para fazer bullying, todos nós perdemos.
Ok, isso me leva à imprensa. Precisamos de uma imprensa com princípios para fiscalizar o poder, para cobrar cada absurdo. É por isso que os fundadores [da democracia americana] colocaram a imprensa e suas liberdades na Constituição. Então apenas peço que a próspera Associação de Jornalistas Estrangeiros de Hollywood e todos da nossa comunidade se juntem a mim no apoio ao Comitê de Proteção aos Jornalistas, porque vamos precisar deles para seguir adiante, e eles vão precisar de nós para proteger a verdade.
Mais uma coisa. Uma vez eu estava no set reclamando de alguma coisa – íamos filmar na hora do jantar, muitas horas de trabalho ou qualquer coisa do tipo – e Tommy Lee Jones me disse: ‘não é um enorme privilégio ser ator, Meryl?’. Sim, é. E temos de lembrar uns aos outros do privilégio e da responsabilidade do ato de empatia. Todos devemos ter muito orgulho do trabalho que Hollywood está homenageando aqui esta noite.
Como a minha amiga que partiu, a querida Princesa Leia, me disse uma vez: ‘pegue seu coração partido, transforme em arte’. Obrigada."

COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,6,Checklist,5,Cinco Atos,1,Crítica,76,DVD & Blu-Ray,5,Editorial,2,Entrevista,1,Extras,3,Listão,13,Matéria Especial,4,Prévia,25,Radar Crítico,13,Rewind,3,TV & Streaming,12,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: 'La La Land: Cantando Estações' vence 7 categorias no Globo de Ouro
'La La Land: Cantando Estações' vence 7 categorias no Globo de Ouro
https://2.bp.blogspot.com/-OTNfiQcKiMI/WHQMDYvDI8I/AAAAAAAAWf0/A1nL5MuY71gwA2MTg_U6XnIlWl8MTsYnwCLcB/s400/lalaland.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-OTNfiQcKiMI/WHQMDYvDI8I/AAAAAAAAWf0/A1nL5MuY71gwA2MTg_U6XnIlWl8MTsYnwCLcB/s72-c/lalaland.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2017/01/drops-la-la-land-cantando-estacoes.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2017/01/drops-la-la-land-cantando-estacoes.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código