(Crítica) 'Esquadrão Suicida' é bagunçado, mas diverte (e muito)



No final das contas, parte dos fatores que mais afetaram a recepção de Esquadrão Suicida são externos ao próprio filme. Um dos maiores percalços do longa foi sua campanha de divulgação, dali pouca coisa corresponde a realidade e talvez os problemas do filme em si tenham relação com esse anseio de fazer jus aos apelos que estavam sendo criados. . O marketing agressivo e criativo, todo o hype gerado  como se o trabalho de David Ayer (de Corações de Ferro e Marcados para Morrer) representasse a grande salvação da lavoura no projeto da Warner com o Universo DC e as notícias de bastidores que davam conta de um grande feito cinematográfico não dão a dimensão do filme que ele é e nem nos dá pistas dos seus maiores defeitos. Esquadrão Suicida  ocupa o lugar exato que as histórias desse grupo de heróis ao avesso costumam ocupar nas HQs. Trata-se de um parênteses, uma trama menor, sem os traços definitivos e enérgicos dos grandes eventos protagonizados pelos integrantes da Liga da Justiça, mas que funciona dentro dos seus próprios termos. É certo que se desenvolve de maneira caótica, sobretudo a apresentação da sua premissa e o desenvolvimento da sua trama principal (suspeito que isso tenha relação com as refilmagens pós-recepção negativa de Batman vs. Superman) , mas, em contrapartida, na maior parte da sua projeção, o filme é despojado e divertido como comédia de ação, sobretudo porque tem um elenco que segura muito bem as suas pontas. 

Esquadrão Suicida tem seus eventos ambientados após os acontecimentos de Batman vs. Superman e traz a oficial Amanda Waller, interpretada por Viola Davis (da série How to get away with murder), recrutando um grupo de vilões para dar conta de ameaças ainda maiores. Para convencê-los, Waller conta com a ajuda do soldado Ricky Flag e com um dispositivo injetado no interior dos seus recrutados que ameaça pô-los aos ares caso abortem a missão por algum motivo. Assim, Waller consegue reunir o Pistoleiro, Arlequina, Crocodilo, Capitão Bumerangue e outros perigosos inimigos dos principais heróis do universo DC. 

O longa, como já antecipado, tem uma estrutura problemática, que, se por um lado, mostra uma disposição para sacudir a maneira "quadradona" com que esse tipo de longa costuma ser apresentado e desenvolvido, por outro, acaba confundindo o espectador que, por vezes, não consegue se localizar na trama ou entender os passos dos seus personagens e suas ações. Contudo, essa dispersão na estrutura do filme de Ayer, aliada a um anseio em tornar o longa pop com a inserção de uma trilha sonora extremamente sedutora e algumas gags, não chega a oferecer ao público um resultado próximo dos problemas apresentados em Batman vs. Superman, por exemplo, nada é muito afetado. Esquadrão Suicida consegue ser muito mais bem resolvido e claro, mesmo diante de todo esse caos, do que o filme de Snyder. 

David Ayer é preciso com seus personagens e suas motivações e conta com um elenco empenhado em torná-los figuras carismáticas e consistentes. Aliás, um dos pontos fortes do filme são os seus personagens e, consequentemente, o que seus atores tem a oferecer com eles. Margot Robbie (mais conhecida por O Lobo de Wall Street e, recentemente, por A Lenda de Tarzan), em especial, rouba a cena como a Arlequina, mas não só porque a personagem mostra-se como o alívio cômico do filme ou, como podem pensar os machistas de plantão, porque a atriz aparece em roupas minúsculas, mas devido a maneira como ela compõe a psiquiatra transformada em criminosa por intervenção do Coringa. Robbie consegue encontrar uma melancolia na paixão de Arlequina pelo vilão que torna a personagem complexa e frágil e o cuidado que a atriz tem ao trafegar por essa linha é admirável, um respeito e uma atenção com a tragédia pessoal da moça e sua psicologia afetada por uma relação doentia que poucas HQs, por exemplo, tiveram a delicadeza de desenhar. Há o temor de que muita gente não consiga acessar isso porque Robbie o faz (acertadamente) de maneira econômica, mas isso já não é um problema do filme. Outros personagens interessantes em Esquadrão Suicida bem executados por seus atores e que valem a pena a menção são a Amanda Waller de Viola Davis, o Pistoleiro de Will Smith, o Rick Flag de Joel Kinnaman e a Magia de Cara Delevingne, aliás, a relação dos dois últimos é um dos pontos altos do longa e serve para dar coesão a trama quando ela ocasionalmente encontra-se perdida em meio a tantos personagens. 

O tão alardeado Coringa de Jared Leto, que não faz parte do Esquadrão Suicida e, coerentemente, está no filme apenas para ajudar-nos a entender a Arlequina, aparece pouco. Ele não é tão marcante quanto outras encarnações do personagem, o que não significa que, posteriormente ele não possa ser explorado com mais força. Isso nos faz chegar ao ponto nevrálgico de uma reação tão negativa (e desproporcional) a Esquadrão Suicida. Talvez o resultado que vejamos na tela não corresponda às expectativas que foram criadas em cima dele, mas o filme atende bem aos seus anseios de ser um produto menor e mais despojado dentro desse projeto DC da Warner. Talvez também o longa frustre um pouco, assim como Batman vs. Superman, por se mostrar como uma "preparação de terreno" para algo maior, o que, é bem verdade, cansa. Afinal, quando nos será ofertado esse prato principal da Warner/DC? O que Esquadrão Suicida cumpre bem é seu compromisso com o entretenimento. Ainda que tenha seus problemas aqui e ali, podemos dizer que são horas bem gastas dentro da sala de cinema (sem o 3D, que, por sinal, inexiste), mas não esperem por uma redenção de projeto cinematográfico algum porque não é isso que ele tem a oferecer.


Suicide Squad, 2016. Dir.: David Ayer. Roteiro: David Ayer. Elenco: Will Smith, Margot Robbie, Viola Davis, Jared Leto, Joel Kinnaman, Cara Delevingne, Adewale Akinnuoye-Agbaje, Jai Courtney, Karen Fukuhara, David Harbour, Scott Eastwood, Adam Beach, Jay Hernandez. Warner, 123 min. 

Assista ao trailer: 

COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,6,Checklist,5,Cinco Atos,1,Crítica,76,DVD & Blu-Ray,5,Editorial,2,Entrevista,1,Extras,3,Listão,13,Matéria Especial,4,Prévia,25,Radar Crítico,13,Rewind,3,TV & Streaming,12,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: (Crítica) 'Esquadrão Suicida' é bagunçado, mas diverte (e muito)
(Crítica) 'Esquadrão Suicida' é bagunçado, mas diverte (e muito)
https://3.bp.blogspot.com/-wAz1Qek35xQ/V6JQlAjskyI/AAAAAAAAV4o/SQjBJNxhLt084C3lfZIkxilZoiJhjRHhQCLcB/s400/the-7-weirdest-stories-from-the-set-of-suicide-squad-1076857.jpg
https://3.bp.blogspot.com/-wAz1Qek35xQ/V6JQlAjskyI/AAAAAAAAV4o/SQjBJNxhLt084C3lfZIkxilZoiJhjRHhQCLcB/s72-c/the-7-weirdest-stories-from-the-set-of-suicide-squad-1076857.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2016/08/critica-esquadrao-suicida-e-baguncado.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2016/08/critica-esquadrao-suicida-e-baguncado.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código