(Crítica) 'A Lenda de Tarzan' é uma trama revisionista movida por avanços e recuos


Mais recente encarnação do clássico personagem de Edgar Rice Burroughs a ganhar as telas, A Lenda de Tarzan é um filme que não é o desastre que parte da crítica internacional alardeou. É verdade que o longa quando erra, vai fundo nos seus deslizes, mas, de uma maneira geral, o filme oferta perspectivas interessantes a respeito do seu personagem e foge ao que convencionalmente se espera de mais uma história sobre a lenda das selvas, ou seja, mais um título a explorar sua origem em uma trama de ação escapista. A Lenda de Tarzan, no entanto, vai por um caminho inesperado, tenta fazer uma revisão histórica e se preocupa com o que ocorreu com o protagonista após anos de sua inserção na "civilização". Acontece que a execução desses conceitos apresenta derrapadas sensíveis e o filme tem no centro das atenções um intérprete de Tarzan que não consegue dar conta do recado, o ator Alexander Skarsgard, mais conhecido do público por ter vivido o vampiro Eric Northman na série True Blood.

Em A Lenda de Tarzan, o diretor David Yates (dos filmes da franquia Harry Potter desde A Ordem da Fênix) faz uma releitura do trabalho de Burroughs com o clássico personagem. No novo longa somos apresentados a um Tarzan que já vive há um tempo em Londres ao lado da sua esposa Jane. Estamos na década de 1930 e o personagem é convidado a retornar a selva do Congo como um emissário do Parlamento inglês. Chegando lá, o personagem se depara com uma outra realidade que envolve o tráfico de escravos e o comércio de minerais e ainda confronta pendências do seu passado que põem em risco a vida da sua amada Jane.

Com todo o seu propósito revisionista, não apenas da própria obra literária, como também do seu contexto histórico, o resultado de A Lenda de Tarzan é um filme desajustado e instável na relação que estabelece com o seu público. Por um lado, ele te mantém interessado pelo desenlace das suas tramas já que te apresenta a uma série de questões que as últimas adaptações das histórias do personagem não apresentaram e, além disso, o diretor David Yates adota um tom e um visual interessante para seu filme, uma mescla de sobriedade e realismo que se exterioriza em uma fotografia de paletas acinzentadas e um design de produção que evita exageros. Em contrapartida, o filme tem uma péssima execução das suas cenas de ação e uso de efeitos visuais confuso, fazendo com que o público nunca saiba ao certo como os personagens se movimentam. Além disso, a exceção da sequência de abertura, a maioria das cenas de ação mostram-se banais ao espectador.

Acontece que ainda que mantenha o público levemente interessado por toda essa cartilha interessante de recursos que possui, a trama de A Lenda de Tarzan sempre apresenta algum elemento que emperra uma relação mais forte e entregue do espectador com o filme, tornando seus erros, quando ocorrem, crassos. Por exemplo, o longa tem o desenvolvimento do seu conflito principal imobilizado por uma sucessão de flashbacks descartáveis a respeito da origem de Tarzan e do nascimento do seu romance com Jane, algo que não cabe na própria proposta e cuja apresentação ao público é dispensável (todos sabem da origem de Tarzan). Esse retorno ao passado e à clássica história de Burroughs emperram e não ajuda em nada os intentos revisionistas de A Lenda de Tarzan. Além disso, o olhar que o filme reserva a trama dos escravos, se por um lado, revela uma pertinência muito grande, sobretudo quando somos familiarizados com as motivações do personagem de Samuel L. Jackson, por outro, é enfraquecida quando tem como eixo da revolução das populações nativas do Congo o homem branco, representado por Tarzan e Jane.

A mesma oscilação que apontamos anteriormente é percebida no resultado das performances do seu elenco. Temos uma Margot Robbie interessante como uma Jane mais atuante, Samuel L. Jackson compondo um personagem que acrescenta muito à trama e até mesmo um Christoph Waltz que, a despeito de repetir um tipo que anda fazendo há anos, consegue compor uma variação interessante de vilão. Em contrapartida, somos apresentados a um protagonista inexpressivo. Como Tarzan, Alexander Skarsgard confunde o lado selvagem do personagem e a natural introspecção de um homem que ainda está se aclimatando ao novo ambiente com a composição de uma figura marcada pela apatia e pelo olhar lânguido em cena. O ator não esboça reação alguma, nem mesmo quando a vida de sua esposa, a pessoa que ele mais ama no mundo, está em perigo. Ter um protagonista como Skarsgard acaba custando muito caro a A Lenda de Tarzan, sobretudo em momentos da projeção no qual deveria existir um interesse maior do espectador pelos sentimentos que mobilizam o seu personagem.

É através dessa estranha lógica de falhas e compensações que A Lenda de Tarzan funciona em parte. Trata-se de um filme que avança consideravelmente em relação a outras adaptações do clássico personagem, mas também promove recuos consideráveis, ficando sempre no meio termo. A Lenda de Tarzan não é um fiasco, mas é um longa que titubeia em sua própria zona de risco e não consegue sustentar com vigor seu intuito de promover um outro olhar para velhos e conhecidos personagens e histórias.


The Legend of Tarzan, 2016. Dir.: David Yates. Roteiro: Adam Cozad e Craig Brewer.  Elenco: Alexander Skarsgard, Margot Robbie, Samuel L. Jackson, Christoph Waltz, Djimon Hounsou, Jim Broadbent, Sidney Ralitsoele, Osy Ikhile, Ashley Byam. Warner, 110 min.

Leia aqui a recepção da crítica internacional ao filme.

Assista ao trailer do filme:

COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,6,Checklist,5,Cinco Atos,1,Crítica,76,DVD & Blu-Ray,5,Editorial,2,Entrevista,1,Extras,3,Listão,13,Matéria Especial,4,Prévia,25,Radar Crítico,13,Rewind,3,TV & Streaming,12,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: (Crítica) 'A Lenda de Tarzan' é uma trama revisionista movida por avanços e recuos
(Crítica) 'A Lenda de Tarzan' é uma trama revisionista movida por avanços e recuos
https://3.bp.blogspot.com/-HgTi5Id4Ir0/V4iXYvTvvJI/AAAAAAAAVzQ/V5UN_n0r5q8IOBtP-70UrxAiMYng8LP1gCLcB/s400/Design%2Bsem%2Bnome.jpg
https://3.bp.blogspot.com/-HgTi5Id4Ir0/V4iXYvTvvJI/AAAAAAAAVzQ/V5UN_n0r5q8IOBtP-70UrxAiMYng8LP1gCLcB/s72-c/Design%2Bsem%2Bnome.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2016/07/critica-lenda-de-tarzan-e-uma-trama.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2016/07/critica-lenda-de-tarzan-e-uma-trama.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código