Crítica: Rush - No Limite da Emoção

 
 O cinema norte-americano viveu e vive ciclicamente de histórias de superação. A trajetória do "vencedor" que contraria todas as expectativas e ultrapassa todos os obstáculos está no DNA da cinematografia hollywoodiana, é um conceito integrante da cultura norte-americana. O esporte é um universo propício para o surgimento desse tipo de narrativa (ecos de Rocky - O Lutador) e nessa esteira surge o novo filme de Ron Howard, que já havia navegado por essas águas oito anos atrás com A Luta pela Esperança, o Cinderella Man com Russell Crowe e Renée Zellweger. O trabalho em questão é Rush - No Limite da Emoção.
 
O filme é roteirizado pelo mesmo Peter Morgan responsável pelos roteiros de A Rainha e Frost/Nixon, um dos melhores trabalhos de Howard. Rush - No Limite da Emoção não supera o acabamento deste último, mas rende um filme cheio de vida, que conserva uma certa simplicidade narrativa, evitando descambar para as armadilhas do melodrama. O longa acompanha a marcante rivalidade da Fórmula 1 entre o inglês James Hunt e o austríaco Nikki Lauda. No auge de suas carreiras, na década de 1970, disputando em escuderias rivais, Hunt e Lauda protagonizaram algumas das corridas mais memoráveis da época. A relação entre os dois ficou mais tensa quando Lauda sofreu um grave acidente durante a competição no Japão e acabou tendo o rosto desfigurado pelas queimaduras, além de alguns órgãos afetados.
 
O trabalho de  Peter Morgan em Rush - No Limite da Emoção é bem mais modesto que o usual. O que, por sua vez, enaltece o esforço do diretor Ron Howard, diretor do longa. O vencedor do Oscar por Uma Mente Brilhante, conhecido por ser um realizador que segue a cartilha do roteiro, tem que desdobrar seu empenho em Rush - No Limite da Emoção.  Dessa forma, no lugar do diretor engessado pelo script, somos surpreendidos por um Ron Howard preocupado em entregar uma certa personalidade à história, com opções interessantes de passagem de tempo e uma preocupação com a narração imagética.
 
Howard também, como sempre, conta com o extraordinário desempenho de seus atores para compensar suas deficiências como diretor. No caso, em específico, o alemão Daniel Brühl (você deve se lembrar dele de Edukators ou Bastardos Inglórios), na pele do austríaco Nikki Lauda. Brühl oferece uma performance cheia de vida, carisma e entrega que é responsável pela fidelidade do espectador ao filme até o último minuto. Ainda que Lauda seja uma figura avessa às emoções, pragmática e antisocial por natureza, o vínculo entre ele e o público, fundamental para a evolução da trama, é mantido do início ao fim por Brühl, um ator minuncioso em sua composição e atento à natureza do seu personagem. Chris Hemsworth, o Thor, também encarna muito bem o playboy boa praça James Hunt. Apesar do sotaque britânico soar estranho (aliás não só o dele como o de Olivia Wilde, intérprete da esposa do personagem), Hemsworth consegue algo extremamente difícil na condução desse tipo de personagem, evitar que ele caia na antipatia da plateia.
 
Rush - No Limite da Emoção é o que Ron Howard pode fazer de melhor. O diretor nunca foi um exemplo de excelência entre seus pares, sempre demonstrou suas limitações em seus trabalhos. O que é mais interessante de se constatar com o tempo é que Howard aprendeu a reconhecer até onde consegue ir e até onde consegue se desafiar e se superar. Rush - No Limite da Emoção é a prova viva desse equilíbrio encontrado por um diretor que já errou feio em O Código Da Vinci, entregou o "arroz com feijão" em Uma Mente Brilhante e se superou em Frost/Nixon. Rush - No Limite da Emoção é o equilíbrio de um diretor que chegou à maturidade e sabe se cercar de bons atores e calcular os seus próprios passos.
 
 
Ron Howard Rush Body
 
 
Rush, 2013. Dir.: Ron Howard. Roteiro: Peter Morgan. Elenco: Chris Hemsworth, Daniel Brühl, Alexandra Maria Lara, Olivia Wilde, Natalie Dormer, Pierfrancesco Favino, Jay Simpson, Tom Wlaschiha, Patrick Baladi, Rebecca Ferdinando. 123 min. Califórnia Filmes.

COMENTÁRIOS

BLOGGER: 1
Loading...
Nome

Agenda,6,Checklist,5,Cinco Atos,1,Crítica,76,DVD & Blu-Ray,5,Editorial,2,Entrevista,1,Extras,3,Listão,13,Matéria Especial,4,Prévia,25,Radar Crítico,13,Rewind,3,TV & Streaming,12,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: Crítica: Rush - No Limite da Emoção
Crítica: Rush - No Limite da Emoção
http://2.bp.blogspot.com/-kWlkxVlirBo/UjJRDVBXYyI/AAAAAAAASU4/1fx7bKMC5S0/s640/680x478.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-kWlkxVlirBo/UjJRDVBXYyI/AAAAAAAASU4/1fx7bKMC5S0/s72-c/680x478.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2013/09/critica-rush-no-limite-da-emocao.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2013/09/critica-rush-no-limite-da-emocao.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código