A importância da assinatura ou Como Danny Boyle voltou a ser Danny Boyle

Em Transe tem muitos aspectos mal resolvidos. A direção de Danny Boyle certamente não é um deles.


Quem quer ser um milionário? foi um grande engodo que conseguiu agradar a Academia faturando oito estatuetas do Oscar. Já 127 horas é um filme regular de direção firme, mas que se perde em meio a banalidade de sua própria trama (mais uma história de sobrevivência...). O diretor Danny Boyle, inventivo e frenético em Trainspotting, Cova Rasa e Extermínio, aparentemente se rendeu a caminhos mais palatáveis. Em Transe é um considerável desvio nos rumos atuais de sua carreira, no entanto, um desvio que o leva a seu lugar de origem e nos faz ver quão importante é para um diretor manter sua assinatura. Não tornar-se imutável, mas preservar as suas marcas, o aspecto autoral de seus filmes.

Em Transe conta a história de um homem que trabalha em leilões de obras de arte. Durante uma ação de criminosos para roubar uma das peças em oferta, esse funcionário é atingido na cabeça e perde toda a sua memória recente. Com o intuito recobrar a lembrança dos eventos que aconteceram durante a ação criminosa, ele passa a se submeter a sessões de hipnose conduzidas por uma terapeuta especialista na técnica. Contar mais do que isso seria estragar várias surpresas essenciais para o entretenimento do próprio leitor. Surpresas que são importantes (acreditem, céticos!) pois Em Transe é o tipo de filme que foi concebido com o intuito de desvendar acontecimentos para seus personagens e para o público concomitantemente.

Nessa trama que flerta com A Origem e (acreditem!) Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças, Danny Boyle volta ao tom lisérgico de um thriller envolvente e ambicioso. Não há dúvidas de que sua direção é eficiente pois consegue manter os olhos e a mente do espectador em constante tensão e atividade. No entanto, o roteiro escrito pela dupla John Hodge e Joe Ahearne não acompanha a sofisticação visual, rítmica e por vezes emocional do filme. Os personagens de Em Transe são unidimensionais e simplificados em suas motivações pelas funções que exercem na trama e em suas próprias vidas (a terapeuta, o criminoso e o anti-herói), até mesmo o sentimento que passam a nutrir uns pelos outros é simplificado pelo script. Para se ter uma ideia do tropeço, uma das personagens que mais sofre com a superficialidade no tratamento é o eixo de toda a trama.

Apesar da displicência do roteiro, o trio de atores central se esforça, diga-se de passagem, outro aspecto que nos leva a Danny Boyle. James McAvoy mais uma vez incorpora como  poucos um carismático anti-herói cheio de nuances interessantes e Vincent Cassel cumpre bem a sua função na trama, seu personagem tem um curioso twist que "brinca" com toda e qualquer sorte de expectativas a seu respeito. Já Rosario Dawson é inegavelmente a grande estrela do longa, uma mescla de musa policial e heroína resignada muito bem sucedida - há anos a moça merecia uma chance como essa. Tudo é claro, sem muito esforço do roteiro. Os bons desempenhos dos atores vêm das orientações de Boyle e do esforço de cada um deles.

Em Transe pode não ser o melhor exemplar da carreira de Danny Boyle, soando como um filme superficial na psicologia de seus personagens, quando na verdade pressupõe-se que teria que aprofundar-se nas motivações e nos conflitos éticos de cada um. O que torna o filme uma experiência no mínimo interessante é o conjunto de esforços entre direção e atores que consegue torná-lo um projeto válido apesar de todas as falhas.



Trance, 2013. Dir.: Danny Boyle. Roteiro: John Hodge e Joe Ahearne. Elenco: James McAvoy, Rosario Dawson, Vincent Cassel, Danny Sapani, Tuppence Middleton, Matt Cross, Wahab Sheikh, Mark Poltimore, Simon Kunz, Vincent Montuel. 101 min. Fox.

COMENTÁRIOS

Nome

Agenda,9,Checklist,6,Cinco Atos,1,Crítica,83,DVD & Blu-Ray,5,Editorial,2,Entrevista,1,Extras,5,Listão,13,Matéria Especial,4,Prévia,37,Radar Crítico,18,Rewind,3,TV & Streaming,17,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: A importância da assinatura ou Como Danny Boyle voltou a ser Danny Boyle
A importância da assinatura ou Como Danny Boyle voltou a ser Danny Boyle
http://2.bp.blogspot.com/-0jo2yXY_Ebw/UXR6PA4fwuI/AAAAAAAARbU/bNiwMBeXc9E/s640/postfull-new-trance-images-are-dangerous-and-trippy-trance_new_1.jpg
http://2.bp.blogspot.com/-0jo2yXY_Ebw/UXR6PA4fwuI/AAAAAAAARbU/bNiwMBeXc9E/s72-c/postfull-new-trance-images-are-dangerous-and-trippy-trance_new_1.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2013/05/a-importancia-da-assinatura.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2013/05/a-importancia-da-assinatura.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código