No reino de João e Maria

Com Moonrise Kingdom, Wes Anderson enfim encontra a harmonia entre suas marcas como cineasta e a história que propõe contar


"Agora eu era o herói
E o meu cavalo só falava inglês
A noiva do cowboy
Era você além das outras três
Eu enfrentava os batalhões
Os alemães e seus canhões
Guardava o meu bodoque
E ensaiava o rock para as matinês[...]" Chico Buarque, João e Maria

Wes Anderson é um diretor voltado para o rigor técnico e para a lógica interna de suas próprias incursões cinematográficas, quase sempre parecidas, flertando com o distanciamento do diretor de seus personagens e com as bizarrices que o cineasta costuma empregar. No entanto, se em Os Excêntricos Tenenbaums e A Vida Marítma de Steve Zissou esse universo particular surgia como um "capricho" estético e narrativo, em Moonrise Kingdom ele é pertinente e dialoga com  a proposta do próprio longa: mostrar a perspectiva infantil de acontecimentos "rotineiros", mas grandiosos.
Moonrise Kingdom é uma jornada grandiosa sim, como as aventuras mitológicas de A Ilíada, mas esta dimensão surge em função da atribuição dos apaixonados Sam e Suzy. No longa, Suzy abandona seu lar caótico e Sam foge do acampamento de escoteiros cáqui para viverem juntos uma história de amor. Os dois acabam descobrindo afinidades e encontrando um no outro o conforto para as agruras da vida, ela para a infelicidade do casamento de seus pais e ele para a solidão que sente desde que ficou órfão.


O filme reproduz em fotografia, direção de arte e figurinos as produções da década de 1960. Até a interpretação dos atores segue a cartilha do período, com a diferença de que todos, como em um grupo teatral, seguem as orientações do próprio Anderson, que tem um jeito todo particular de enxergar o mundo. O roteiro, também do diretor, junto com Roman Coppola, filho de Francis Ford Coppola, é certeiro no humor involuntário das situações criadas pelos próprios protagonistas, Sam e Suzy, e pelos adultos extremamente frustrados com os rumos de suas próprias vidas. O casamento fracassado de Frances McDormand e Bill Murray, a frustração profissional do chefe dos escoteiros de Edward Norton, a solidão do personagem de Bruce Willis e o pragmatismo da assistente social de Tilda Swinton de um lado. Do outro, o frescor criativo, a impetuosidade, a ingenuidade e a falta de pudores típicas da infância de Sam e Suzy. Moonrise Kingdom lida com esses contrastes.

Outro grande êxito do longa é a condução do elenco infantil. Claro que Kara Hayward e, especialmente, Jared Gilman são os destaques do filme, os dois mostram uma cumplicidade e uma naturalidade ímpar com seus personagens. No entanto, não dá para esquecer o restante do jovem elenco escalado por Anderson, que dedicou horas de ensaio para o filme, típico do diretor. O elenco adulto também não passa batido. Temos um Edward Norton inspirado como o inspetor bem intencionado do acampamento de escoteiros, Frances McDormand e Bill Murray como o casal em descompasso e Bruce Willis  mais terno e humano que o usual.


Não que os exageros e o estranhamento causado pelos filmes anteriores de Wes Anderson não fossem bem vindos, mas parece que em Moonrise Kingdom tudo isso encontra maior receptividade e justifica-se, trata-se da gênese do cineasta. O longa é uma grande jornada empreendida por crianças e não necessariamente feita para crianças. O contraste entre o universo inventivo infantil e o insosso mundo adulto proporcionam uma reflexão sobre o caminho que nos transforma em criaturas sem vida, infelizes e medíocres. Moonrise Kingdom é incrivelmente espirituoso, mas pode ser uma conclusão melancólica, a depender da recepção. Um tempo que não volta. Ao que parece Anderson encontrou um meio de mantê-lo vivo, o cinema. A partir do filme entendemos o ponto de vista que o diretor sempre teve do mundo a sua volta. De todo modo é uma experiência incrível.




Moonrise Kingdom, 2012. Dir.: Wes Anderson. Roteiro: Wes Anderson e Roman Coppola. Elenco: Jared Gilman, Kara Hayward, Bruce Willis, Edward Norton, Bill Murray, Frances McDormand, Tilda Swinton, Harvey Keitel, Jason Schwartzman, Bob Balaban, Jake Ryan, Seamus Patrick-Fitzpatrick, Larry Pine. 94 min. Paramount.

COMENTÁRIOS

BLOGGER: 2
Loading...
Nome

Agenda,9,Checklist,6,Cinco Atos,1,Crítica,83,DVD & Blu-Ray,5,Editorial,2,Entrevista,1,Extras,5,Listão,13,Matéria Especial,4,Prévia,36,Radar Crítico,18,Rewind,3,TV & Streaming,17,Vilões que Amamos Odiar,1,
ltr
item
Chovendo Sapos: No reino de João e Maria
No reino de João e Maria
http://1.bp.blogspot.com/-NfYtlR0dBLU/UFfOdyauIdI/AAAAAAAANNg/X5aqETPUEKg/s400/moonrise-kingdom.jpg
http://1.bp.blogspot.com/-NfYtlR0dBLU/UFfOdyauIdI/AAAAAAAANNg/X5aqETPUEKg/s72-c/moonrise-kingdom.jpg
Chovendo Sapos
http://www.chovendosapos.com.br/2012/10/o-reino-de-joao-e-maria.html
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/
http://www.chovendosapos.com.br/2012/10/o-reino-de-joao-e-maria.html
true
3477978344278040615
UTF-8
Posts carregados Nada encontrado! VEJA MAIS Leia mais Responder Cancelar resposta Deletar Por Início PÁGINAS POSTS Ver todos RECOMENDADO PARA VOCÊ CATEGORIA ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS POSTS Nada encontrado VOLTAR Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 hora atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESSE CONTEÚDO É PREMIUM Por favor, compartilhe para liberar! Copie todo o código Selecione todo código Todos os códigos foram copiados Não foi possível copiar o código